domingo, 17 de março de 2013

Juazeiro perdeu ZPE


EDITORIAL
O governo já decidiu e Juazeiro do Norte perdeu a chance de sediar uma ZPE (Zona de Processamento de Exportação, um benefício pelo qual vinha lutando há mais de quarenta anos.  Para quem não sabe, ZPE é um distrito industrial incentivado, onde as empresas que nele se instalam operam com suspensão de impostos, liberdade  cambial (ou seja, podem manter no exterior, permanentemente, as divisas obtidas nas exportações) e procedimentos administrativos simplificados. Um dos grandes baluartes pela implantação de uma ZPE em Juazeiro foi o empresário Roberto Celestino que perdeu a batalha porque certamente não contou com o apoio da bancada política que luta pelos interesses do município. Nos anos 60 e 70, no auge do sucesso da Zona Franca de Manaus,  muito se falou sobre a implantação de uma ZPE no Ceará, estando a nossa cidade como uma das principais postulantes. Com o passar do tempo a luta arrefeceu e terminou chegando aonde chegou, ou seja, Juazeiro de fora, pois a ZPE do Ceará vai para o Terminal Portuário do Pecém, região metropolitana de Fortaleza, no município de São Gonçalo do Amarante.  O governo federal vai inaugurar ZPE em todos os estados brasileiros, a maioria localizada em cidades do interior... e Juazeiro ficou de fora. Por que? Que respondam os chamados representantes da cidade. 

3 comentários:

Rosângela Tenório disse...

Este é um questionamento que devemos fazer a nossos representantes no Legislativo. Pergunto: Cadê vocês Deputados Federais e Estaduais, como também nossos Vereadores. 2014 vem aí, não queremos apertinhos de mãos, tapinhas nas costas e muito menos promessas de portarias. Somos formadores de opinião, estudamos em escolas públicas e queremos ações em prol do Desenvolvimento do nosso Cariri.

IDERVAL TENÓRIO disse...

Amigos deste blog, tenho feito muitos comentários a respeito da Economia Brasileira.
Nas minhas investidas, tomo a produção industrial como o único foco de desenvolvimento de uma economia , explico que a única maneira de um povo crescer pecuniariamente é produzindo, é instalando indústrias próprias, é registrando patentes e exportando.
Pensando nisto, o Governo criou as ZPEs, aonde o principio é produzir , é não onerar os custos com múltiplos impostos e taxas , e como principio fundamental EXPORTAR( como diz um funcionário meu:( EXPORTAR PARA O EXTERIOR E NÃO ENTRE OS ESTADOS), só assim entrará dinheiro para os cofres da Nação.
Outro principio seria que as Empresas Nacionais, as Empresas pequenas e o Capital Nacional produzisse e vendesse para fora do país, com esta forma o país receberia os saborosos dólares ,melhorando o superávit da balança brasileira , criaria empregos na área de serviço azeitando o consumo interno.
Agora amigos, para que isto aconteça o país teria que ter uma boa infra estrutura de transportes e de patentes.
Boas estradas e bons portos baratos, uma linha férrea que cortasse o país, uma frota de caminhões própria e nova, motoristas bem preparados e rodovias seguras, o objetivo é levar o produto ara o exterior e a via mais barata é por intermédio dos grandes navios. Junto a esta estrutura , teria que ter um parque industrial próprio, muitas patentes registradas, uma mão de obra autóctone e de boa qualidade, cérebros nos cursos técnicos e superiores dirigido para o país.
Então amigos estas zonas teriam que ficar perto destes portos, com este perfil as ZPEs só irão para as regiões próximos aos portos marítimos ou fluviais, grandes aeroportos e corredores férreos importantes. Resumindo- Próximos ao mar, aos grandes rios , nos corredores rodoviários e férreos ,uma vez que toda a produção terá que ser exportada e com o menor acréscimo no seu custo, se não encarece os produtos e estes passam a ser inviáveis, ficam não competitivos.
Apenas um adendo:
COMO O PAÍS NÃO TEM PATENTES, NÃO POSSUE MARCAS PRÓPRIAS , NÃO TEM EMPRESÁRIOS CAPITALIZADOS , NÃO TEM ESPIRITO DE PRODUTOR E SIM DE UM MERO PAÍS CONSUSMIDOR, TEVE QUE ABRIR A SUA GUARADA AO CAPITAL ESTRANGEIRO.
EXPLICO QUE, MESMO COM ESTAS ZPEs , O PAÍS CONTINUARÁ SEM PRODUZIR, POIS AS INDUTRIAS NÃO SÃO SUAS E SIM DE ESTRANGEIROS, FICANDO A NAÇÃO APENAS COM A ÁREA DE SERVIÇOS( OS SALÁRIOS DOS FUNCIONÁRIOS) OS LUCROS DA PRODUÇÃO SERIAM E SERÃO ENVIADOS PARA OS PAÍSES DONOS DO CAPITAL , DAS MARCAS E DAS PATENTES.
ZPE 100%, SÓ COM CAPITAL NACIONAL E EMPRESAS PRÓPRIAS.
MESMO ASSIM COM ESTE SISTEMA VIGENTE, UMA ZPE NUMA REGIÃO JÁ É UM GRANDE AVANÇO - POIS PELO MENOS GERA SERVIÇOS E EMPREGA A MÃO DE OBRA NACIONAL, MUITAS VEZES A MÃO DE OBRA DO JOVEM.

Termino dizendo- “ Quem não tem cachorro, caça como um gato”
Agora o bom seria que estas ZPEs fossem totalmente brasileiras.
O Empresário Brasileiro sonha por este dia.
ZPE BRASILEIRA, MAIS DIVISA ENTRANDO NA NAÇÃO.
ZPE ESTRANGEIRA, MAIS DIVISA SAINDO DA NAÇÃO.
Iderval Reginaldo Tenório

Daniel Walker disse...

Comentário de Ilídio Cruz Esmeraldo:
O Projeto ZPE no Ceará é da década de 60. Em 80, o sr. Tasso Jereissati lidera o movimento de ZPE no estado. Em 88, o presidente Sarney cria duas ZPE's: Maracanau (CE) e Macaíba (RN).
Em 2009, o governador Lúcio Ancânta pede a transferência da ZPE de Maracanau para Pecém.
As ZPE's passam, hoje, por grande borbadeio contra. Há entendimentos econômicos que listam muitos inconvenientes nesse tipo de empreendimento, tais como evasão de divisas, contrabando, canibalismo de atividade já existente,superfaturamente nas exportações e subfaturamente nas importações. Afora isto exige refinada logística, sendo aconselhavel a sua implementação sempre que possível nas zonas portuárias.
Sendo assim, não sendo político e não tendo interese particular exceto claraar o assunto, acho que nossos representantes pouco ou nenhuma coisa poderiam ter feito para trazer uma ZPE para o CARIRI.
Illdio Cruz Esmeraldo