sábado, 25 de junho de 2022

Órgão Especial do TJCE aprova promoção e remoção de juízes para comarcas do Interior


O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) aprovou a promoção e remoção de quatro juízes durante sessão desta quinta-feira (23/06). Presidida pela chefe do Judiciário cearense, desembargadora Maria Nailde Pinheiro Nogueira, o colegiado aprovou a remoção de três magistrados e a promoção de mais um.

Foram removidos, na Entrância Final, os juízes Maria Lúcia Vieira (3ª Vara Criminal de Juazeiro do Norte) para Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra Mulher da Comarca do Crato; Gustavo Henrique Cardoso Cavalcante (1ª Vara Criminal da Comarca de Juazeiro do Norte) para 4ª Vara Criminal da Comarca de Juazeiro do Norte; e Cesar Morel Alcântara (3ª Vara Criminal de Maracanaú) para Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra Mulher da Comarca de Maracanaú.

Também foi promovido, na Entrância Intermediária, o juiz Jorge Roger dos Santos Lima (Vara Única de Jaguaruana) para 1º Juizado Auxiliar da 8ª Zona Judiciária – Sede Tianguá).

SAIBA MAIS
Após passar em concurso público, o juiz é empossado em uma comar

fonte:  tjce.jus.br/noticias/orgao-especial-do-tjce-aprova

quinta-feira, 16 de junho de 2022

Cortejo cultural abre oficialmente o Juaforró 2022

A Prefeitura de Juazeiro do Norte, por meio da Secretaria de Cultura - SECULT, abriu oficialmente o Juaforró 2022 nesta quarta-feira, 15, com o cortejo cultural pelo centro do Município.


O evento contou com a presença do secretário de Cultura, Vandinho Pereira, 19 grupos de quadrilhas, mais de 300 brincantes e os Bacamarteiros da Paz, anunciando que as festividades juninas já iniciaram em Juazeiro.




A culminância foi na Alameda Juazeiro, com apresentações dos grupos. O Juaforró seguirá com a parte de shows até o próximo dia 19, no Parque de Eventos Padre Cícero. O Festival de Quadrilhas acontece de 23 a 26, no Ginásio Poliesportivo, e o Juaforró no Sítio, nos dias 28 e 29, na comunidade rural Carás do Umari.

fonte:PMJN ASCOM

terça-feira, 14 de junho de 2022

Em junho, Juazeiro do Norte já registrou mais de 500 casos de covid-19

Em junho, Juazeiro do Norte já registrou mais de 500 casos de covid-19

aumento de 540% em relação a maio de 2022 

Os casos de covid-19 continuam em uma crescente alta em Juazeiro do Norte. No último boletim divulgado, referente a 13 de junho, foram registranos mais 92 casos, o que totaliza 503 durante os treze primeiros dias do mês. Um aumento de quase 662%, em relação a todos os casos confirmados no mês anterior.

O gráfico abaixo mostra o sentido da linha, em crescimento constante no período observado. A Governadora do Estado, Izolda Cela, em uma ação para reduzir estes números, emitiu um decreto que recomenta a utilização da máscara em ambientes fechados, incluindo instituições de ensino, e em locais abertos que possibilitem aglomeração.

Juazeiro do Norte segue com o cronograma de vacinação. Mesmo com o crescimento dos casos confirmados, desde seis de abril que o município não registra óbitos, graças ao avanço da vacinação. Diariamente, a Prefeitura Municipal divulga em suas redes sociais os locais, horários e públicos, para recebimento dos imunizantes

fonte:www.badalo.com.br/featured/em-junho-juazeiro-do-norte-ja-registrou-mais-de-500-casos-de-covid-19/

segunda-feira, 13 de junho de 2022

Casamento Coletivo: 15 Noivas De Santo Antônio Casaram Neste Domingo (12)

Após dois anos, o tradicional casamento coletivo das 15 noivas de Santo Antônio aconteceu, neste domingo (12), na Igreja Matriz de Barbalha.Com direito a véu, grinalda e bênção de Santo Antônio, 15 casais se uniram na celebração do matrimônio. 



A tradição, realizada na cidade desde 2016 é inspirada nos casamentos comunitários de Lisboa, terra que Santo Antônio viveu.  A iniciativa faz parte dos festejos anuais do santo casamenteiro e reúne 15 casais, que carregam consigo o sonho do matrimônio, para participar da cerimônia.

Esse evento comunitário, que tem como objetivo fomentar a cultura local, é realizado por meio de parceria entre a Prefeitura Municipal, a Escola de Saberes, a Câmara Municipal e a Paróquia de Santo Antônio, além da contribuição de entidades e parceiros.

O tradicional casamento coletivo das 15 noivas de Santo Antônio aconteceu na tarde deste domingo (12) na Igreja Matriz de Barbalha. 


O cortejo das noivas saiu da igreja do Rosário por volta das 16 horas em direção a Matriz de Santo Antônio, acompanhado por manifestações culturais como bandas cabaçais, reisado, quadrilha e orquestra. Enquanto isso, com muita emoção, a população e inúmeros visitantes conduziram o desfile.

Além de todos os preparativos para realização do matrimônio, cada casal de noivos foi presenteado com um bolo feito com ingredientes típicos da região. O evento comunitário tem como objetivo fomentar a cultura local além de realizar o sonho daqueles que preservam a fé no santo casamenteiro.

fonte cariricomoeuvejo.com.br/as-15-noivas-de-santo-antonio-se-casam-neste-domingo-12-na-igreja-matriz

:c

domingo, 12 de junho de 2022

Brasil = Ciencia do Ceará Presente - Capacete Elmo é eleito melhor case de inovação do Brasil e já importa sua tecnologia

 Capacete Elmo eleito Melhor case de inovação do Brasil, vem sendo apresentado continuamente e internacionalmente.  


Conexão Brasil-Peru: capacete Elmo é apresentado em evento internacional de Medicina . 

Médico peruano Fernando Gutierrez foi o voluntário para experimentar o Elmo durante a palestra

Curiosidade e entusiasmo marcaram a recepção do capacete de respiração assistida Elmo pelos participantes do XXI Curso Internacional de Medicina Intensiva del Adulto y del Niño (Sopemi), em Paracas, no Peru. Depois de viajar para a Europa, o dispositivo desembarcou no país da América do Sul na última segunda-feira (06) e foi apresentado pelo pneumointesivista e seu idealizador, Marcelo Alcantara, no quarto dia de programação do evento.

Na ocasião, o médico, que também é superintendente da Escola de Saúde Pública do Ceará Paulo Marcelo Martins Rodrigues (ESP/CE), autarquia vinculada à Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), ministrou a palestra La experiencia con el casco (Helmet) Elmo en la covid-19. Além desse, outros três temas fizeram parte do cronograma de atividades de Alcantara.

“É uma oportunidade enorme de trocarmos ideias. Trouxe um Elmo para presentear a Sociedade Peruana de Medicina Intensiva (Sopemi) e a edição da revista científica da Escola de Saúde Pública, Cadernos ESP, que trata de relatos de experiências com o dispositivo. A gente precisa valorizar a ciência, a tecnologia e a inovação”, disse o gestor. “Fico impressionado como o nosso case é singular. A repercussão da apresentação foi muito boa. Noto que as pessoas ficam de olhar atento e muito curiosas durante a exposição”, completa.

Fisioterapeuta paulista Pamella Ferreira teve o primeiro contato com o Elmo durante palestra ministrada pelo médico Marcelo Alcantara, idealizador do equipamento

Também expositora convidada do evento, a fisioterapeuta pediátrica paulista, Pamella Ferreira, teve contato com o Elmo pela primeira vez. Trabalhando há 10 anos em UTI pediátrica, inclusive durante a pandemia de covid-19, ela ficou entusiasmada após a palestra: “Esse Elmo é maravilhoso! Super fácil de colocar. O paciente deve se sentir mais confortável do que com outras interfaces e ainda possibilita a realização de fisioterapia motora de uma maneira mais livre”.

Médico peruano Fernando Gutierrez foi o voluntário para experimentar o Elmo durante a palestra


Ainda durante a atividade, houve um momento para demonstrar a aplicação do dispositivo. O médico peruano Fernando Gutierrez se voluntariou para a acoplagem do capacete e se supreendeu. “Nossa expectativa é muito boa, porque já conhecíamos uma tecnologia semelhante adotada em outra nacionalidade. Mas nessa [a do Elmo], que foi feita na América Latina, vemos que há uma possibilidade muito alta de utilizá-la e ampliar o manejo de pacientes em estado crítico, sobretudo aqueles com insuficiência respiratória tipo 1 ou 2, evitando intubações”, destacou Gutierrez.

O Curso Internacional de Medicina Intensiva segue até este sábado (11), reunindo médicos do Peru, Brasil, Chile, Argentina e México. Na agenda de pautas do superintendente da ESP/CE, estão, também, abordagens sobre ventilação mecânica e simulação virtual.

Agenda internacional

Em maio deste ano, a convite, o Elmo foi exposto para estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, em Portugal. O grupo assistiu à apresentação da história do capacete, experimentou o dispositivo e aprendeu, na prática, como funciona.

Trajetória

Marcelo Alcantara é médico pneumointensivista com experiência em ensino e treinamento em suporte ventilatório mecânico em cursos regionais, nacionais e internacionais nesta área. Coordena, ainda, o Laboratório da Respiração (RespLab) no Centro de Biomedicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), onde desenvolve pesquisas nas áreas de Ventilação Mecânica e de Análises de Imagens do Tórax.

Elmo

Idealizado em abril de 2020, o Elmo é fruto de uma força-tarefa público-privada de enfrentamento à crise sanitária. Em torno da iniciativa, uniram-se, além da Escola de Saúde Pública do Ceará, a Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), a Universidade Federal do Ceará (UFC), além de Universidade de Fortaleza (Unifor), Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai/CE) e a Esmaltec. Houve ainda apoio do ISGH.

fonte:esp.ce.gov.br/2022/06/10/conexao-brasil-peru-capacete-elmo-e-apresentado-em-evento-internacional-de-medicina/

sábado, 11 de junho de 2022

Trabalho, saúde mental e finanças preocupam geração Z e millennials, aponta pesquisa

Trabalho, saúde mental e finanças preocupam geração Z e millennials, aponta pesquisa

Entrevistados estão menos propensos a deixar seus empregos nos próximos dois anos e consideram o modelo híbrido de trabalho o ideal; burnout tem média maior que a global entre as duas gerações, e maioria não se sente à vontade para falar sobre saúde mental com seus empregadores.

A geração Z, nome dado às pessoas nascidas entre 1995 e 2003, e os millennials, os nascidos entre 1983 e 1994, se sentem profundamente preocupados com o próprio futuro, mostra pesquisa realizada pela Deloitte.


As duas gerações no Brasil estão menos propensas a deixar seus empregos atuais nos próximos dois anos – 36% da geração Z (no ano passado eram 49%) e 28% dos millennials (no ano passado, eram 34%).

Por outro lado, 30% dos brasileiros da geração Z (22% em 2021) e 41% dos millennials (39% em 2021) pretendem ficar mais do que cinco anos nos trabalhos atuais.

A insatisfação com o salário (17% da geração Z e 28% dos millennials) e a falta de oportunidades de aprendizado e desenvolvimento (16% da geração Z e 10% dos millennials) são as principais razões pelas quais eles estão deixando seus empregos.

No entanto, na hora de escolher uma nova empresa para trabalhar, a questão sobre oportunidades de desenvolvimento vem em primeiro lugar (37% geração Z / 41% millennials), enquanto receber um salário melhor, principal motivo para deixar uma empresa, vem na última posição (19% geração Z / 20% millennials).

A pesquisa foi realizada pela Deloitte com 14.808 pessoas da geração Z e de 8.412 millennials (23.220 entrevistados no total), de 46 países. No Brasil, foram ouvidas 801 pessoas, sendo 500 da geração Z e 301 millennials, entre 24 de novembro de 2021 e 4 de janeiro de 2022.


Confiança nas finanças e na aposentadoria


A pesquisa aponta ainda que os millennials no Brasil são mais propensos que a média global a se sentirem financeiramente seguros (55% Brasil ante 46% global) e confiantes de que poderão se aposentar confortavelmente (53% Brasil contra 41% global).

Já a geração Z no Brasil está mais alinhada com a média global – 40% dos brasileiros e 40% dos entrevistados globais se sentem financeiramente seguros, enquanto 39% dos brasileiros e 41% da média global acreditam que poderão se aposentar.


Apesar disso, ambas as gerações no Brasil são mais propensas a viver do salário do mês do que as médias globais – sem reservas e com medo de que o salário não seja suficiente para cobrir todas as despesas e os gastos extras - 56% dos entrevistados da geração Z e 57% dos millennials afirmam viver essa situação. Já as médias globais caem, respectivamente, para 46% e 47%.


Por isso, muitos estão assumindo trabalhos paralelos (39% da geração Z no Brasil ante 43% global e 38% dos millennials brasileiros ante 32% global).

Os principais trabalhos extras feitos pelas duas gerações no Brasil são:


  • vendedor de produtos ou serviços por meio de plataformas digitais (21% da geração Z e 26% dos millennials)

  • influenciador digital (18% de ambas as gerações)

  • atuação em organizações sem fins lucrativos (18% da geração Z e 22% dos millennials)

Preferência por trabalho híbrido


Mais da metade (51%) dos brasileiros pertencentes à geração Z e quase metade dos millennials (48%) trabalham presencialmente. Porém, a maioria dos entrevistados das duas gerações (65% da Z e 63% dos millennials) prefere um modelo híbrido de trabalho.


  • Geração Z tem pressa na carreira e prioriza habilidades sociais, diz pesquisa
  • Quem decidiu o que é millennial? O que é geração Z? O que é boomer?
  • Geração Z é a menos otimista em relação ao trabalho, mostra pesquisa

  • Aqueles que tiveram a oportunidade de trabalhar remotamente citam benefícios como permitir que eles vejam sua família com mais frequência, sobrando tempo para fazer outras coisas de que gostam e ajudando-os a economizar dinheiro.

    “Essas duas gerações foram muito impactadas nos últimos anos, especialmente quando falamos de trabalho. Desde 2020, eles vivenciaram novas formas de trabalhar, experimentando primeiro o teletrabalho e, posteriormente, o modelo híbrido. Todos esses elementos que a pandemia da Covid-19 trouxe transformou a percepção desses públicos e a relação deles com o trabalho”, diz Dani Plesnik, líder de Talent & Culture da Deloitte. 
     

    Burnout e ansiedade aumentam

                                                                                                                                            De acordo com a pesquisa, a ansiedade aumenta entre a geração Z e diminui entre os millennials, mas o burnout está presente nas duas gerações.

    Os níveis de estresse e ansiedade aumentaram um pouco para a geração Z no Brasil (de 54% no ano passado para 56% em 2022), mas caíram para os millennials (de 52% para 47%). As mulheres das duas gerações, tanto no Brasil quanto fora, responderam que se sentem mais ansiosas, o tempo todo ou na maior parte do tempo.

    No Brasil, o futuro financeiro de longo prazo (62% geração Z e 50% millennials), as finanças do dia a dia (57% da Z e 46% dos millennials), as preocupações com a saúde mental (53% e 47%, respectivamente) e o trabalho/carga de trabalho (35% e 26%) são os principais fatores que geram estresse e ansiedade.


  • Os níveis de burnout são significativamente mais altos no Brasil do que a média global: aqui, 59% dos entrevistados da geração Z e 58% dos millennials dizem se sentir esgotados por causa da intensidade e das demandas do trabalho. As médias globais são de 46% e 45%, respectivamente.

    Muitos dos entrevistados dizem que deixaram suas organizações recentemente devido à pressão de suas cargas de trabalho: 50% da geração Z e 51% dos millennials, ante 44% e 43%, respectivamente, da taxa global.

    Aproximadamente dois terços das duas gerações no Brasil (66% da geração Z e 68% dos millennials) acreditam que seus empregadores estão mais focados na saúde mental no local de trabalho depois do início da pandemia, mas mais da metade não acredita que isso tenha resultado em qualquer impacto significativo sobre os funcionários.

    Três em cada 10 pessoas da geração Z e dos millennials não se sentem à vontade para falar com seus gestores sobre estresse ou outros problemas de saúde mental. Cerca de um quarto tirou uma folga do trabalho devido ao estresse, mas mais da metade não disse ao empregador o motivo.

    Os millennials se mostraram um pouco mais propensos a se sentir à vontade para dizer ao empregador quando precisam de uma folga devido ao estresse ou motivos de saúde mental.


  • Prioridades na liderança

                                                                                                                                            Se estivessem no comando das empresas, os entrevistados brasileiros da geração Z priorizariam iniciativas como:

    • promover líderes solidários (18%)
    • permitir aos funcionários trabalharem em horários flexíveis (18%)
    • permitir aos profissionais trabalharem remotamente caso preferissem (16%)
    • experimentar uma semana mais curta de trabalho (11%)
    • criar mais vagas para trabalho em meio período (10%)

    Já os millennials brasileiros priorizariam, nesta ordem:

    • permitir aos profissionais trabalharem remotamente caso preferissem (19%)
    • permitir aos funcionários trabalharem em horários flexíveis (18%)
    • experimentar uma semana mais curta de trabalho (13%)
    • promover líderes solidários (12%)
    • criar mais vagas para trabalho em meio período (11%)

    Principais preocupações

                                                                                                                                            Em comparação com o ano passado, as duas gerações estão mais otimistas no Brasil em relação às situações econômica e sociopolítica nos próximos 12 meses. Quanto à situação econômica, 56% dos respondentes da geração Z e 61% dos millennials acreditam que ela irá melhorar nos próximos 12 meses – no ano passado, esses números eram de 39% e 50%, respectivamente.

    Em relação à situação sociopolítica, 51% da geração Z e 60% dos millennials acreditam que ela vai melhorar no mesmo período - em 2021, os números eram de 32% e 44%, respectivamente.

    Os brasileiros são muito mais otimistas do que as médias globais: apenas 28% dos entrevistados de geração Z e 28% de millennials globais acreditam numa melhora econômica. E os números são ainda menores quando perguntados sobre a situação sociopolítica – 24% da geração Z e 25% dos millennials.


  • Os brasileiros das duas gerações são mais propensos a pensar que os negócios têm um impacto social positivo em comparação com seus pares globais. Aqui, 45% da geração Z e 60% dos millennials acreditam nisso, enquanto as médias globais são, respectivamente, de 45% e 44%.

    No entanto, semelhante às médias globais, esse sentimento vem diminuindo lentamente ao longo dos anos.

    As principais preocupações entre as gerações no Brasil são:

    • desemprego (33% da Z / 31% dos millennials)
    • segurança pessoal/criminalidade (24% da Z / 27% dos millennials)
    • custo de vida (23% da Z / 25% dos millennials)
    • preocupação com as mudanças climáticas e em proteger o meio ambiente (22% da Z / 19% dos millennials)
    • desigualdade de renda (destaque para 24% dos millennials)
    • preocupação com assédio sexual (destaque para 21% da geração Z)



FONTE: g1.globo.com/trabalho-e-carreira/noticia/2022/06/11/trabalho-saude-mental-e-financas-preocupam-geracao-z-e-millennials-aponta-pesquisa.ghtml

Por Marta Cavallini, g1     11/06/2022