quarta-feira, 22 de março de 2017

Arcebispo de Maceió aponta semelhanças entre os princípios de Padre Ibiapina e Padre Cícero

    Para o Arcebispo de Maceió (AL), dom Antonio Muniz Fernandes, Padre Cícero não está desligado do princípio apostólico do Padre Ibiapina e suas vidas se cruzam. A afirmação foi feita na manhã desta quarta-feira durante a Mesa Redonda: "Romeiras e Romeiros: Juventude e Gênero" no V Simpósio Internacional sobre o Padre Cícero: "Reconciliação... e agora?", que acontece em Juazeiro. Os debatedores foram os professores Sávio Cordeiro e Adriana Simião da Silva (URCA) e Maria das Graças de Oliveira Costa Ribeiro (IFCE).

     Não obstante ter sido um grande nomes do clero nacional, Dom Muniz observou que Ibiapina foi esquecido ao passo que a nação romeira jamais esqueceu o padre caririense. Conforme o Arcebispo, ele foi afastado da cena e renasceu pela devoção e admiração de estados próximos quando o Ceará foi junto. Dom Muniz defendeu ainda um resgate das figuras superioras da Casa de Caridade que, como disse, o Padre Cícero escolhia de forma exemplar.

       Na sua fala, a professora Maria das Graças discorreu sobre as cartas que chegam para o Padre Cícero em Juazeiro enviadas por pessoas de vários lugares do pais que não puderam vir. Os conteúdos são de desabafos, pedidos por meio da intercessão do sacerdote junto aos santos e agradecimentos chamando a atenção para um grande número de correspondências de jovens. São desde apelos para se livrar da feiúra ou aprovações em concursos, quanto ligadas a relacionamentos até homoafetivos ou de políticos que almejam vencer eleições.

     Já o professor Sávio Cordeiro opinou que a romaria tem muito de sacrifícios pessoais e, na sua exposição, considerou o avanço dos evangélicos como “agressivo, inescrupuloso e mercantil”. Antes, a professora Adriana Simeão tratou sobre a pesquisa em torno das experiências sócio religiosas das mulheres que vem ao Juazeiro a qual transformou no livro: “Vidas e Romarias”. Ela confessou encantamento com o caldeirão das manifestações dentro de práticas de um catolicismo popular que remonta ao tempo de Padre Cícero.
Assessoria de Imprensa

Peregrinações pelo mundo motivaram debate sobre romarias e turismo religioso no Simpósio de Padre Cícero

     Pela primeira vez no Brasil, que ouvia falar apenas por conta do futebol e do carnaval, o Antropólogo John Eade da Universidade de Roehampton em Londres foi o conferencista da noite desta terça-feira no V Simpósio Internacional sobre o Padre Cícero: "Reconciliação... e agora?". O evento é promovido pela Universidade Regional do Cariri (Urca) e ele falou sobre o tema: “Novos caminhos em estudos de peregrinação: desenvolvendo uma abordagem global”

     Como disse, a Igreja quer promover peregrinações mesmo reunindo grupos de pessoas de diversas crenças fazendo menções a locais de devoção como, por exemplo, o Santuário de Nossa Senhora de Lourdes na França e os caminhos de Santiago de Compostela no noroeste da Espanha. De acordo com John Eade, muito promovidos pelo conselho europeu e apresentando uma diversidade de peregrinação onde o que interessa é a energia do caminho.

      Para o conferencista, são vários os motivos e interpretações na jornada desde suas residências aos locais de devoção. Ele já escreveu um livro sobre peregrinações na Europa e observou a necessidade de todas serem bem vistas no Cristianismo que está mudando no contexto mundial. A palestra do Antropólogo causou uma provocação do bispo emérito da Diocese de Crato e presidente de honra do simpósio, dom Fernando Panico. Para ele, o desafio dos próximos eventos é procurar distinguir sobre romarias e turismo religioso.

      O mesmo confessou que se questiona muito quando vê a realidade no Nordeste com muita gente pobre nos caminhos até com penitencia corporal enfrentando viagens longas e desconfortáveis, porém sempre com alegria: rezando e cantando nas estradas. Ele disse que esteve em Brasília para tentar compreender melhor esse contexto, mas percebeu que o Ministério do Turismo não detém interesse por romarias e sim o turismo que pressupõe o capital.

      Nessa vertente, John Eade destacou os diferentes tipos de peregrinações e até questionou se uma local poderia se tornar global. Já o Antropólogo Carlos Steil, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, observou que as peregrinações tem um efeito transversal e se faz presente nas romarias tradicionais como em Juazeiro diante de características comuns. O conferencista historiou sobre a origem das peregrinações em que os teólogos eram hostis e questionavam se a pessoa não poderia fazer tudo no seu local de origem.

       Para esta quarta-feira, dia 22, o palestrante da Mesa Redonda das 08h30min, no Memorial Padre Cícero, será o Arcebispo de Maceió (AL), dom Antonio Muniz Fernandes que falará sobre "Romeiras e Romeiros: Juventude e Gênero". Já às 16 horas a conferência será da professora Candace Slater, da Universidade de Berkeley (USA), a qual falará sobre: "Algumas respostas dos romeiros à reconciliação". No período da noite haverá a cerimônia de entrega de títulos de cidadão juazeirense ao Bispo Dom Gilberto Pastana e mais oito sacerdotes.

ASSESSORIA DE IMPRENSA

terça-feira, 21 de março de 2017

Simpósio de Padre Cícero é aberto diante de um Memorial lotado e conferência de dom Fernando, Bispo Emérito da Diocese de Crato

Na abertura do V Simpósio Internacional sobre o Padre Cícero: "Reconciliação... e agora?", o bispo emérito da Diocese de Crato, dom Fernando Panico, não escondeu o orgulho quanto à sua ativa participação no processo que resultou na reconciliação do sacerdote. “Aqui vim, também, como romeiro e Deus escolheu a mim para fazer a defesa do Padre Cícero”, disse ele que é o presidente de honra do evento e foi o responsável pela conferência magna de abertura na noite desta segunda-feira.

       O auditório do Memorial Padre Cícero acolheu um grande publico e abertura foi antecedida por apresentações culturais. Dom Fernando fez um relato sobre todos os simpósios os quais considerou “de interesse permanente e relevante” ao reunir pessoas e saberes de diferentes áreas do conhecimento. No entendimento do conferencista, colaboram para a compreensão mais aprofundada em torno dessa questão sócio religiosa de Juazeiro “à luz da ciência e em busca da verdade”.

      Ao historiar os fatos relacionados com a transformação da hóstia em sangue na boca da beata Maria de Araújo, ele considerou que o então bispo do Ceará, dom Joaquim Vieira levou sua versão para o Santo Ofício como se fosse verdadeira. Como disse, por mais provas que a comissão de inquérito apresentasse não o satisfazia ou convencia. Já nessa nova etapa, lembrou o pedido do então cardeal Joseph Ratzinger e, depois, Papa Bento XVI pela retomada dos estudos em torno da questão.

      Foi quando dom Fernando constituiu uma comissão de estudiosos de diversos lugares do Brasil e áreas do conhecimento para compreender melhor os fatos “dentro de um trabalho honesto”. Na sua conferência, definiu como dever cumprido no comando dessa responsabilidade. “Aqui está o dedo de Deus na história de Juazeiro, do Padre Cícero, da beata e do fenômeno das romarias”, observou acrescentando que, em 2004, o simpósio igualmente promovido pela Universidade Regional do Cariri já tinha o apoio da Diocese.

       Para ele, significava o reconhecimento da Igreja no âmbito local e avaliou como conseqüências o avanço das concepções acadêmicas sobre a figura do Padre Cícero. Citou ainda a abertura plena dos arquivos da Cúria Diocesana com mais de três mil documentos à disposição de todos. Como definiu, o início do seu pastoreio em 2001 tratou de fazer justiça aos romeiros no que diz respeito à sua devoção ao Padre Cícero, “os quais foram chamados de fanáticos e hereges pela própria Igreja”.

       Coube ao prefeito de Juazeiro, José Arnon Bezerra, acolher os participantes e parabenizou a universidade considerando um brinde ao município “quando atrai muitos que vem de longe nos ajudar a conhecer melhor esse homem”. Ainda sobre Padre Cícero, destacou suas ações em nome da educação, reforma agrária, geração de emprego, estímulo ao artesanato e a preocupação com o meio ambiente. Já em nome do governador Camilo Santana, que se encontra no exterior, o reitor da Urca, Patrício Melo, fez a abertura oficial.

       Em seu discurso comentou sobre a preocupação da comissão organizadora instituída pela universidade no sentido de reunir cabeças pensantes daqui e de fora para debater a temática. Para ele, a história de Padre Cícero se entrelaça com a de todo o Cariri tendo sido responsável pela mudança na história da região no início do século XX. Quem também fez uso da palavra foi o bispo da Diocese de Crato, dom Gilberto Pastana observando que o Padre Cícero é uma das raras pessoas jamais esquecidas após a morte.

      Como disse, 83 anos depois do seu falecimento a lembrança é cada vez mais crescente “em virtude de todo esse sentido histórico na cultura do povo nordestino, despertando o interesse da comunidade acadêmica e da mídia em geral”. Na opinião do pastor, uma personalidade rica, que tinha muita visão de futuro e das mais estudadas no Brasil e exterior. Coube a deputada estadual Fernanda Pessoa representar a Assembléia Legislativa e ao presidente da Câmara, Gledson Bezerra, representar o poder legislativo municipal.

segunda-feira, 20 de março de 2017

Falecimento da Professora Antélvia Cândido

Faleceu hoje, em Juazeiro do Norte, a conhecida professora Maria Antélvia Cândido. Ela era formada em Pedagogia pela Faculdade de Filosofia  Católica de Fortaleza, com curso de Especialização em Metodologia do Ensino Superior pela Universidade Federal do Ceará. Foi durante muito tempo professora de Didática da antiga Faculdade de Filosofia do Crato. Antélvia era nome de realce na área educacional do Cariri e do Ceará. Muito dinâmica e versátil, ministrou diversos cursos na área educacional, ocupou vários cargos públicos e enquanto gozou de saúde teve presença constante em solenidades educacionais e culturais realizadas em nossa cidade. O velório ocorre no  Anjo da Guarda e o sepultamento será hoje às 16 horas, após celebração de missa. 

WILTON BEZERRA, 50 ANOS DE CRÔNICA ESPORTIVA

Depois de sua inauguração, em fevereiro de 1967, a Rádio Progresso AM de Juazeiro do Norte, emissora pertencente ao grupo empresarial Bezerra de Menezes, estruturou  de forma empírica, no mesmo ano, a sua primeira equipe esportiva. 
Da sala da discoteca, Wilton Bezerra, o então operador e programador, ouviu um ensaio feito com gravador para uma transmissão que seria realizada da quadra de futebol de salão da extinta CELCA, a Companhia de Eletricidade do Cariri. 
Era a cobertura de um torneio de equipes amadoras. Wellington Amorim, jornalista, e Damião Gomes, colaborador da emissora, simulavam narração e reportagem.
Naquele momento, Wilton se integrou à dupla e foi responsável pela narração do jogo. Ao lado, o comunicador, publicitário e desportista juazeirense Dário Maia Coimbra, o inesquecível "Darim".
Começava ali, 50 anos atrás, a trajetória do comentarista, hoje, integrante do Sistema Verdes Mares de Comunicação.
Em 1979, depois de 12 anos na Rádio Progresso, onde desempenhou várias funções, foi contratado pela Rádio Uirapuru de Fortaleza, para a equipe esportiva de Moésio Loiola. 
A seguir, em 1983, formou sua própria equipe, na Rádio Cidade AM 860, onde permaneceu por 11 anos. De lá, cedeu a uma boa proposta salarial e reingressou na Rádio Assunção, novamente sob o comando de Moésio Loiola.
Em 2011, foi contratado pela TV Diário e Rádio Verdes Mares, a Verdinha, onde permanece até hoje.
Sem esquecer que, desde o começo da sua trajetória de 38 anos na imprensa da capital, Wilton Bezerra atua na TVC, antiga TV Educativa, onde teve ingresso no ano de 1983.
Na televisão, foi comentarista dos noticiários e programas esportivos da TV Uirapuru e TV Cidade, ao longo dos anos 1980, 1990 e 2000.
Seu valor de mercado foi sempre baseado na conduta de isenção, na fundamentação de suas análises e na consequente credibilidade conquistada junto ao público.
Definir o tamanho de sua competência é tarefa que Wilton Bezerra sempre preferiu deixar a cargo da prezada, numerosa e cativa audiência. Afinal, o povo é quem faz a voz das ruas. Só ele fala por si, entende o comentarista. 
De si, Wilton se reserva a não muito dizer.  Apenas, que se considera um profissional com razoável capacidade de discernimento e alguém que sabe alguns minutos de alguns assuntos. 
Muita modéstia da parte dele, mas não adianta. O nome de Wilton Bezerra continua na boca do povo e sempre escrito entre as maiores estrelas do esporte e da comunicação de nosso Estado.
Parabéns, grande comentarista, que você merece!

Dos seus jornalistas Marcel Cordeiro Bezerra e Wilton Bezerra Júnior, aqui, vai este breve retrospecto sobre 50 anos de de muita luta e profissionalismo. Um gesto de homenagem a um autêntico artista da palavra. Um ídolo para seus filhos !

V Simpósio Internacional sobre o Padre Cícero 'Reabilitação... E agora?' será aberto na noite desta segunda (20), no Memorial Padre Cícero

O Simpósio Internacional sobre o Padre Cícero traz à tona nova temática para ser debatida com os maiores estudiosos do Brasil e de outros países. Em sua V edição, tratará do tema “Reabilitação, ... E agora? ”. Mais uma vez, pesquisadores da religiosidade estarão reunidos no Cariri para realizar estudos sobre um dos sacerdotes mais polêmicos da história do Brasil.

A abertura do evento acontece às 19 horas desta segunda-feira, no Memorial Padre Cícero, dentro da 35ª Semana Padre Cícero, numa parceria da Universidade Regional do Cariri (URCA) e a Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte. O evento, que contará com mais de 600 participantes, terá uma vasta programação, de 20 a 24 de março e nomes como o do escritor Leonardo Boff, que fará a conferência de encerramento sobre “Padre Cícero à luz do Papa Francisco”.

A sessão solene de abertura do Simpósio acontecerá com a presença do Prefeito de Juazeiro do Norte, Arnon Bezerra, e o Reitor da URCA, Professor Patrício Pereira Melo. Grandes pesquisadores relacionados aos estudos do Padre Cícero estarão presentes durante a semana, contando com nomes como o da Professora Candace Slater, dos Estados Unidos; Luitigarde Barros, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), além do escritor Leonardo Boff, que fará a conferência, no dia 24.

O presidente de honra do Evento Será Dom Fernando Panico, que proferirá a palestra de abertura, sobre “Questionamentos e Perspectivas Pastorais sobre o “E Agora”, da Reconciliação do Padre Cícero.  O religioso deu início ao processo para o pedido de reabilitação, em 2002. O credenciamento dos participantes começa a partir das 8h30, no Memorial Padre Cícero, ainda com vagas para inscrições. Às 14h30, acontece programação cultural, com a apresentação do Espetáculo ‘Padim de Nós Todos’, com Nação Nacult, e a apresentação da Banda Cabaçal Santa Edwirgens.

O simpósio contará com a realização de conferências, palestras, mesas redondas, além de apresentação de mais de 150 trabalhos acadêmicos inscritos, se configurando num recorde para todas as edições já realizadas, além de lançamentos de livros. A maioria das apresentações culturais acontece no largo do Socorro, com coordenação e parceria da Secretaria de Turismo e Romaria de Juazeiro do Norte, Coordenação de Cultura e SESC.

Aniversário do ‘Patriarca do Nordeste’
O dia 24, data da festa de aniversário do Padre Cícero, começa com a grande celebração religiosa no largo do Socorro, às 6 horas. Às 15 horas ocorre o enceramento do Simpósio, com palestra do escritor Leonardo Boff, e a Procissão das Flores, com saída do CSU até o Largo do Socorro. O cortejo encerra com a entrega de certificação às Tiradeiras de Renovação e apresentação dos grupos de tradição.

Em 2014, após mais de uma década da terceira edição, havia sido realizado o quarto simpósio internacional, se notabilizando pela grande quantidade de trabalhos acadêmicos apresentados. Dessa vez, o intuito está em analisar os processos que desencadearam a reabilitação, e o andamento dessa nova realidade, perante à igreja Católica e os fiéis.

O Simpósio é uma realização (URCA), por meio do Instituto José Marrocos de Pesquisas Sócio-Culturais (IPESC), contando este ano com importantes apoios de Instituições como o SESC, Diocese do Crato e a Universidade Federal do Cariri (UFCA). Desde o ano passado, vários estudos vêm sendo feitos para elaborar a programação que busca reunir os principais estudiosos da temática. A coordenadora e presidente do Ipesc, Fátima Pinho, professora da URCA, destaca a importância do simpósio, que já foi palco de estudos relevantes sobre o Padre Cícero.

Além disso, ela ressalta esse novo momento de se compreender o processo de reabilitação do Padre Cícero, após a carta do Papa Francisco. O evento estará voltado para estudantes, pesquisadores, professores e toda a comunidade que se interessa por esse tema. “É um momento oportuno para discutir esse tema e o que representa a reconciliação e quais os passos que serão dados”, afirma.

Para Fátima Pinho, as romarias e a própria devoção popular ao Padre Cicero se reelaboram, com os avanços na sociedade. "O romeiro, quando vem ao Cariri, não é apenas com a finalidade de reverenciá-lo, que é o principal objetivo, mas fazer compras, visitar locais turísticos e se divertir", diz.

Temas como a reabilitação e seus desdobramentos serão debatidos; incluindo também perspectivas pastorais o eixo temático sobre Padre Cícero e a política eclesiástica; peregrinação no mundo; Padre Cícero, romeiros e romeiras: gênero e juventude; reconciliação na perspectiva dos romeiros; Padre Cícero: usos e apropriações, com discussões sobre ecologia e economia e Padre Cícero à Luz do Papa Francisco. Todos as temáticas serão abordadas em palestras, conferências, apresentação de trabalhos, mesas redondas e rodas de conversa. Também serão realizados os momentos denominados Testemunhos à Sombra do pé de Juá.

Reabilitação

O tema polêmico, como a reabilitação do Padre Cícero, foi debatido na edição anterior do Simpósio, mesmo antes ser anunciado pela Igreja Católica. Após o anúncio e muitas discussões, o assunto passa a ser pauta importante de debate acadêmico durante o este evento, o maior sobre estudos voltados para a temática da religiosidade no âmbito da academia.

O primeiro simpósio foi realizado no ano 1988, quando veio à tona a temática do Padre Cícero e os romeiros. No ano seguinte, o sacerdote e a beata Maria de Araújo que, junto com o padre, protagonizou o milagre do sangramento da hóstia, no ano de 1889. O contexto desse momento, que continua sendo alvo de estudos, foi debatido trazendo à tona pela primeira vez, de forma ampla, o nome da beata Maria de Araújo, que teve os seus restos mortais levados da Capela do Socorro. Ainda hoje estão desaparecidos, e como muitas questões relacionadas ao fenômeno, continuam sendo mistério. Há quase três anos, a pergunta principal para suscitar os debates foi “E...onde está ele?”.

São 28 anos de um evento que se tornou motivador para os estudiosos, no intuito buscar respostas para as diversas indagações, dentro de um dos assuntos que ainda se torna polêmico, quando se trata de trabalhar a questão da religiosidade no campo da ciência.

Mais Informações:
Universidade Regional do Cariri  (URCA)
Telefones: (88) 3102-1212 - ramal 2617
www.urca.br/novo

sábado, 18 de março de 2017

Padre Cícero, Lampião e coronéis - novo livro de Daniel Walker

A vida política de Padre Cícero é tão importante quanto a sua vida religiosa, pois ambas foram polêmicas. Como religioso ele esteve sempre às turras com as autoridades eclesiásticas, que o censuravam por causa da questão do milagre da hóstia; como político ele sempre procurou manter uma conduta de harmonia e paz, embora isso em alguns momentos não tenha sido possível.

Na verdade, ele nunca quis ser político, como explicou no seu Testamento. Sua opção pelo caminho sinuoso da política se deu de forma circunstancial e isso foi explorado de várias maneiras pelos seus biógrafos, não havendo ainda consenso. Diante do que foi publicado até hoje, dá para perceber que ninguém acredita na explicação dada por ele mesmo. E não poderia ser diferente, pois em se tratando do Padre Cícero tudo é controverso. Sua vida, tão cheia de ambiguidade, jamais deixará de ser dissecada pela caneta dos seus biógrafos, cujos trabalhos já renderam uma bibliografia com mais de 500 títulos.

Neste trabalho, minha análise da vida política do Padre Cícero está baseada em dois eventos significativos e polêmi-cos: a outorga da patente de Capitão a Lampião (1926) e o Pacto dos Coronéis (1911).

Segundo os pesquisadores, a vida política do Padre Cícero só foi tumultuada porque colada a ela, como uma espécie de alter ego, esteve a figura emblemática do médico baiano adotado pelo Juazeiro, Dr. Floro Bartholomeu da Costa.

Este estudo deixa evidente que a vida política de Padre Cícero está intrinsicamente ligada à de Floro, mas realmente era o médico baiano quem de fato articulava ou maquinava tudo com ou sem o consentimento do Padre Cícero. Foi ele, com habilidade e astúcia, quem colocou Padre Cícero no miolo da política cearense, despertando contra o ingênuo Padre novato em política todo o rancor dos adversários. E como Padre Cícero pagou caro por isso!

A vida política do Santo dos Nordestinos é o retrato mais fiel da sua transição de reverendo a lutador, fato notório que se repetiu em mais dois fenômenos igualmente polêmicos: sua participação no movimento de emancipação política de Juazeiro (1911) e na Sedição de 1914.

Daniel Walker
O livro  está à venda ao preço de R$ 30,00 com frete grátis. Pedido diretamente ao autor pelo e-mail: professordaniel@hotmail.com.br ou celular/WhatsUpp 98835 6303

Ou no Sebo Alan Poe - Solaris. Rua Av. Padre Cícero, 1227 - Centro, Juazeiro do Norte - CE
E ainda: Coelhos Hotel. Rua do Cruzeiro/Praça Padre Cícero.
Banca  de Revistas de César. Praça Padre Cícero

Para quem reside fora de Juazeiro a compra pode ser feita no site abaixo:
http://www.portaldoslivreiros.com.br/busca.asp?autor=daniel+walker

segunda-feira, 13 de março de 2017

Banco do Nordeste terá circuito sobre bandas de pífanos


Projeto abrange apresentações musicais, palestras e lançamento de livros em Fortaleza, Juazeiro do Norte e Sousa, no mês de março

A tradição das bandas de pífanos está em alta e ganha importante espaço nos centros culturais do Banco do Nordeste do Brasil - BNB, no mês de março. O projeto, desenvolvido pela Página 21, do Recife, faz parte do esforço para que os grupos sejam reconhecidos como Patrimônio Cultural do Brasil.

Agendado para os centros culturais do BNB de Fortaleza e Juazeiro do Norte no Ceará e Sousa na Paraíba, o projeto engloba apresentações de bandas cearenses e paraibanas, rodas de conversas com mestres pifeiros e lançamento de livros que mapeiam a expressão cultural do pífano no sertão e no agreste de Pernambuco.

As atividades começam com a apresentação da pesquisa Bandas de Pífanos – do mapeamento à salvaguarda e o lançamento dos volumes Pífanos do Sertão e Pífanos do Agreste, publicados pela Página 21, com a presença dos autores e de um representante do Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico (Iphan) - a instituição responsável pelo reconhecimento de expressões como Patrimônio Cultural.

Em seguida ocorre a realização de uma palestra com os pesquisadores e mestres do pífano, finalizando com a apresentação das bandas.

O circuito tem início no Centro Cultural BNB de Fortaleza, dia 21/03, às 15 horas, em que a banda convidada será a Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto do Crato – CE.

Dia 23/03 às 17 horas é a vez do Centro Cultural BNB de Juazeiro do Norte, com a participação da Banda Cabaçal Santo Antônio de Juazeiro do Norte – CE.

Por fim, a Banda Cabaçal São Sebastião, de São José das Piranhas , no sertão paraibano, faz o show no Centro Cultural BNB de Sousa, dia 25/03 às 17 horas.

Todos os eventos terão a participação do historiador Eduardo Monteiro e dos produtores culturais Amaro Filho e Claudia Moraes, responsáveis pela pesquisa, além dos integrantes das bandas envolvidas e de um representante do Iphan.
Todas as atividades terão registro audiovisual e fotográfico, que posteriormente será disponibilizado no site:
 www.tocandopifanos.com

O projeto foi aprovado no Edital de Seleção de Projetos Culturais 2016, Incentivados pela Lei Rouanet, para ocupação dos espaços dos centros culturais do Banco do Nordeste.

Serviço:

- O circuito tem início no Centro Cultural BNB de Fortaleza, dia 21/03, às 15 horas, em que a banda convidada será a Banda Cabaçal dos Irmãos Aniceto do Crato – CE.

- Dia 23/03 às 17 horas é a vez do Centro Cultural BNB de Juazeiro do Norte, com a participação da Banda Cabaçal Santo Antônio de Juazeiro do Norte – CE.

- Por fim, a Banda Cabaçal São Sebastião, de São José das Piranhas , no sertão paraibano, faz o show no Centro Cultural BNB de Sousa, dia 25/03 às 17 horas.

Contato: 
- Claudia Moraes: claudia@pagina21.com.br – (81) 988719267









sábado, 11 de março de 2017

Faleceu Carlinhos, fundador do Albergue Sagrada Família


Faleceu hoje, em Fortaleza, o Sr. Carlos Alberto de Oliveira,  fundador e diretor do Albergue Sagrada Família, de Juazeiro do Norte. Carlinhos, como era chamado carinhosamente, era pessoa muito conhecida em nossa cidade, cidadão de bem, muito religioso, um abnegado que veio ao mundo com a missão de servir aos necessitados, e isso ele o fez muito bem na instituição que fundou há exatos 17 anos. Desde algum tempo, Carlinhos estava em intenso tratamento de saúde, tendo de se deslocar regularmente a Fortaleza. Sua morte traz grande consternação a todos que o conheciam e principalmente para seus familiares e os moradores do Albergue Sagrada Família que ficará sem seu grande fundador. Ultimamente, em face do agravamento do seu estado de saúde, o Albergue vinha sendo administrado por sua esposa (Graça) e os filhos, a quem certamente caberá doravante a administração da instituição. O velório será amanhã, no Anjo da Guarda. Quem quiser conhecer mais um pouco sobre a história de Carlinhos e do Albergue Sagrada Família pode acessar o link abaixo a conhecer a matéria publicada por Tereza Neuma em sua Coluna do Portal de Juazeiro:

LAZERCTN festeja nascimento de Padre Cícero com programação especial

  Padim Ciço – o popular nome de padre Cícero – está no coração da maioria dos nordestinos. Em 24 de março, são celebrados os 173 anos de nascimento do religioso. Para comemorar, o Centro de Tradições Nordestinas prepara uma programação especial para exaltar o ícone com o evento Meu Padim Ciço. 

Além de missas, haverá exposições de artigos e debates. Reverenciado como santo popular, Padre Cícero Romão Batista nasceu em 1844, no Ceará. Com 12 anos, fez voto de castidade; ingressou no seminário aos 21. O reconhecimento em todo o Brasil veio depois de ofertar uma hóstia a Maria de Araújo. Ao colocar na boca, a beata e os presentes viram a hóstia se transformar em sangue. Daí em diante, Cícero foi alvo de perseguições, chegando a ser suspenso. No entanto, a influência entre o povo manteve-se ainda mais forte, com romarias que atraem 2 milhões de romeiros a Juazeiro do Norte. 

De 24 de março a 2 de abril, Meu Padim Ciço terá, entre as atividades, a exposição “Relíquias do Pe. Cícero”, vinda de Juazeiro. São móveis, peças e acessórios antigos usados pelo “padim”. 

Entre os debates, está “Padim Ciço 173 anos: Da religiosidade à educação”, que vai discutir os caminhos usados pelo ícone religioso em sua função, além da influência em levar a educação para Juazeiro do Norte, falando sobre questões de ecologia à política. 

Missas serão realizadas às sextas, sábados e domingos com procissão, entrega de fitinhas para os devotos e fiéis. 

O CTN está na Rua Jacofer, 615 – Limão. Mais informações no telefone 3488-9400 ou no site www.ctn.org.br. Confira abaixo a programação completa: 

DIA 24 (sexta-feira) – Comemoração Meu Padim Ciço 

10h30: Palestra com tema “A história de Juazeiro sob a perspectiva do Padre Cícero”, ministrada por Marcelo Fraga 

Local: Camarote Cabra Mix no CTN 

Os interessados devem entrar em contato por mensagem inbox do facebook CTNSP 

15h: Missa de aniversário dos 173 anos do Pe. Cícero 

Participação da Legião de Maria e do Apostolado da Oração 

Local: Capela Imaculada Conceição 

DIA 25 (sábado) – Comemoração Meu Padim Ciço 

12h: Missa Sertaneja de Aniversário do Pe. Cícero e batizados. Animação: Comunidade Santa Gertrudes 

Local: Capela Imaculada Conceição 

12h às 18h: Exposição das relíquias do Padre Cícero. Local: Vila do Forró CTN 

14h30: Apresentação de Reisado com grupo Folia de Reis de Todos os Santos. Local: Vila do Forró CTN 

DIA 26 (domingo) – Comemoração Meu Padim Ciço 

11h às 12h30: Procissão especial do Pe. Cícero com participação do grupo Folia de Reis de Todos os Santos. Missa Solene de aniversário do Pe. Cícero. Celebrante: Dom Sérgio de Deus. Participação da Orquestra de Violões da Escola Toque Conosco. Local Capela Imaculada Conceição 

17h: Missa Festiva de Aniversário do Pe. Cícero – Celebrante Pe. Alcides Piquilo lançando seu cd. Animação: cantor Ary Barroso 

31/3 – (sexta-feira) – Comemoração Meu Padim Ciço 

10h30: Palestra com tema “A história do Juazeiro sob a perspectiva do Padre Cícero”, ministrada por Marcelo Fraga. O público poderá apreciar também uma exposição das relíquias do sacerdote. 

Local Camarote: Cabra Mix no CTN 

Os interessados devem entrar em contato por mensagem inbox do facebook CTNSP 

1 e 2/4 – (sábado e domingo) – Comemoração Meu Padim Ciço 

12h às 18h: Exposição das relíquias do Padre Cícero. Local Vila do Forró no CTN
Fonte: Bruno Viterbo.  https://www.jornalspnorte.com.br/ctn-padre-cicero-especial/

quarta-feira, 8 de março de 2017

Rua Hidelgarda Barbosa e Avenida Paulo Maia serão ligadas à Avenida Carlos Cruz

A Prefeitura de Juazeiro do Norte, por meio da Secretaria de Infraestrutura (SEINFRA), está fazendo uma obra de urbanização que servirá para melhorar o trânsito na Avenida Padre Cícero, nas imediações do Teatro Marquise Branca. A finalidade é promover o melhoramento do fluxo de automóveis e proporcionar maior agilidade aos motoristas que passarem por aquela área.

Os trabalhos estão acontecendo no cruzamento da Avenida Padre Cícero com a rua Hidelgarda Barbosa e a Avenida Paulo Maia, que serão ligadas à Avenida Carlos Cruz. Já foi criado o trecho que juntará essas ruas, que passa ao lado da estação do metrô, conhecida como Estação Teatro, e será ainda um acesso ao Anel Viário, dando mais fluidez ao tráfego nos dois sentidos.

Para isso, será retirado o canteiro central nesse local da Avenida Padre Cícero, onde os veículos poderão, a partir de então, sair da Avenida Carlos Cruz e ir direto para a Avenida Paulo Maia. Antes os motoristas teriam que seguir na Avenida Padre Cícero, realizar o retorno, e só assim ter acesso a Avenida Paulo Maia, da mesma forma que quem estiver na rua Hidelgarda Barbosa também poderá seguir direto para a Avenida Carlos Cruz e prosseguir com o seu trajeto, evitando pegar o retorno.

A obra custou aproximadamente 1,5 mi. O prazo de conclusão é de seis meses e já está 75% executada. A empresa responsável pela reestruturação do trecho é a Coral Construtora Rodovalho Alencar. (ASCOM/PMJN)


Mostra gratuita retrata a vida de 81 trabalhadores da construção civil. Juazeiro presente

Essa é uma daquelas exposições de arrepiar. Daquelas que nos dá um tapa na cara, e nos convida a um segundo de imersão à realidade que, por vezes, passa despercebida na correria do dia-a-dia. Quando a gente passa pelas ruas e vê aqueles enormes prédios, quase nunca imaginamos como é o processo de construção deles, e menos ainda como é a vida e a rotina dos trabalhadores que os fazem.

A exposição Biografias, que chega ao bairro dom Bom Retiro, em São Paulo, no próximo dia 15 de fevereiro, utiliza elementos como fotos, música, vídeos e outras peças artísticas para contar a história de 81 trabalhadores da construção civil. A mostra revela as biografias de profissionais, coletadas durante um ano de pesquisa em canteiros de Juazeiro do Norte, Ceará, e São Gabriel, no Rio Grande do Sul.

A realidade, nua e crua
É uma pequena parte da história de vida de cada operário, com trechos fortes, como um trabalhador que carregou a mãe por 60 quilômetros, no colo, para ela poder dar à luz um filho, ou de outro, que por causa da fome precisou comer um Urubu quando criança, e trabalha desde os 9 anos de idade.

O que você verá na exposição

Essa mostra traz várias coisas interessantes. O destaque é um enorme painel polaroide, com a foto de todos os trabalhadores. Também há obras feitas com resíduos de material de construção, e equipamentos de segurança. Há ainda um vídeo projetado em realidade virtual, que fará com que o visitante se sinta dentro de um canteiro de obras.

A trilha sonora também é especial. No processo de criação, cada operário traçou em uma folha pautada os momentos que consideravam ser os melhores e piores de suas vidas. Essas marcações formam uma música, que ambienta a exposição. Quem for à mostra ‘Biografias’ poderá assistir ainda a um vídeo, em que os trabalhadores dão seus depoimentos de vida.

A OSCIP, Mestres da Obra
A Organização da Sociedade Civil para Interesse Público, Mestres da Obra, que é a responsável por essa exposição, é uma iniciativa criada em São Paulo, pelo arquiteto Arthur Pugliese, no ano de 2007. A principal atividade realizada pela OSCIP é a integração e o desenvolvimento sociocultural, permeados por meio de ateliês itinerantes de arte, que colocam os trabalhadores em contato com a arte. Esses espaços são construídos dentro dos canteiros de obra, no horário de expediente.

Programe-se
Então respira fundo aí, e separa um horário na sua agenda porque vale a pena aprender com essa exposição. A mostra ‘Biografias’ abre para o público no dia 15 de fevereiro, e fica disponível para visitação até o dia 5 de março, no Teatro Container da Cia. Mungunzá. Os ingressos são #vádegraça, e você pode ir de quarta a domingo, das 10h às 17h.

E você leitor do Vá de Cultura, gostou dessa dica? Conta pra gente o que achou deixando um comentário aqui no artigo. Não se esqueça de curtir a página do Vá de Cultura no Facebook, e interagir com a gente usando a hashtag #vádecultura nas suas redes sociais.

Jovem de Juazeiro supera acidente, passa em medicina e se torna inspiração

O enfermeiro Thiago Barros, 25, natural da cidade de Juazeiro do Norte, a 493 quilômetros de Fortaleza, é um verdadeiro exemplo de dedicação aos estudos e superação. Após sofrer um acidente de moto, que ocasionou a amputação de uma das pernas, o cearense foi aprovado na última edição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), em 2º lugar, para o curso de medicina, na Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Estudante de escola pública, Thiago descobriu a paixão pelo livros ainda na infância, segundo a mãe Valdenira Ferreira de Sousa Barros. "Desde pequenininho que ele tem essa paixão pelos estudos. Aliás, quando eu levava ele pequenininho, na escola, que ele sempre estudou de manhã, quando chegava em casa eu ia colocar almoço, ele pegava a bolsa e estirava os cadernos no chão, queria logo fazer a tarefinha", relembra.
Além de gostar de estudar, Thiago também descobriu a paixão pela área da saúde. Cursou faculdade de enfermagem e de ciências biológicas. Em 2012, se inscreveu no programa do governo federal Ciências Sem Fronteiras, foi selecionado em primeiro lugar no Ceará e passou um ano estudando na Itália.

"Lá eu tive a a oportunidade de fazer estágios nos hospitais de referência, que foi na cidade de Roma. Cursei disciplinas também, fiz avaliações no estilo deles, no modelo europeu. A bagagem cultural que eu trouxe de lá, acho que foi a maior riqueza de todas", afirma Thiago.

Quando voltou da Europa, Thiago fez mestrado e passou em um concurso público no Estado de Pernambuco, na cidade de Jaboatão dos Guararapes. A conquista o levou a alimentar um sonho ainda mais ousado: o de se tornar médico. "Assim que eu fui convocado nesse concurso, foi aí que eu disse: 'Agora é a hora de eu entrar no meu cursinho pré-vestibular e tentar realmente meu sonho'", conta o jovem.

O sonho foi adiado em abril de 2016, quando Thiago sofreu um acidente de moto no Recife. Quase um ano depois, Thiago voltou à terra natal pra passar alguns meses com a família, até embarcar no sonho de cursar medicina. Para ele, o egresso no curso é um recomeço. "É uma nova etapa, novo caminho para traçar, novos obstáculos a vencer. Mas estamos aí, preparado, porque o sonho maior é o que vale, que é ser médico", declara.

Para a mãe, Thiago é um verdadeiro exemplo de dedicação. "Agradeço todo dia por Deus ter me dado essa bênção. Eu tenho três filhos, todos três são uma benção, mas ele é bem desenrolado. Quando ele quer uma coisa, ele consegue".

Apesar dos quilômetros de distância que irão separar Thiago da família, o pai Cícero da Silva Barros, funcionário público, apoia e torce pelo filho. "Como é um sonho que ele sempre quis, eu vou encarar na normalidade. Ele procurando o sonho dele, eu trabalhando e a gente podendo ajudar do jeito que pode. Não vai faltar oportunidade da gente se reencontrar", disse.

Em agosto, Thiago começa a escrever um novo capítulo dessa história de superação e busca alcançar voos ainda mais altos.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Tribunal de Justiça suspende Lei Estadual 16.198/2016 que alterava limites territoriais de Juazeiro do Norte

O Tribunal de Justiça do Estado do Ceará concedeu, agora há pouco, decisão liminar, suspendendo a eficácia da Lei Estadual 16.198/2016, que alterava os limites territoriais do Município de Juazeiro do Norte - CE. A decisão foi julgada após a Procuradoria Geral do Município de Juazeiro do Norte entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade.

No dia 29 de dezembro de 2016, a Assembleia Legislativa do Estado do Ceará havia aprovado a lei n° 16.198, que refez os limites territoriais de diversos municípios no Estado do Ceará, dentre eles o de Juazeiro do Norte. Algumas áreas pertencentes à cidade, com a aprovação da lei, haviam passado a fazer parte dos municípios de Barbalha, Missão Velha, Caririaçu e Crato.

Com a decisão liminar tomada pelo Desembargador Haroldo Correia Máximo, do TJ/CE, está suspensa a eficácia da Lei Estadual 16.198/2016, que alterou os limites territoriais do município de Juazeiro do Norte/CE.


Horto do Padre Cícero não faz parte de territórios que trocarão de cidades no Cariri, alerta IBGE

Circularam nas redes sociais, na semana passada, informações de que a cidade de Juazeiro do Norte perderia diversos territórios para os municípios vizinhos de Barbalha, Crato, Missão Velha e Caririaçu. Esses boatos deixaram algumas pessoas preocupadas, já que até o horto do Padre Cícero, principal ponto turístico da região, havia entrado na lista de lugares que deixariam de ser administrados por Juazeiro.

Esclarecimento
Em entrevista exclusiva à Rede Jangadeiro FM, técnicos e autoridades esclareceram o fato. O horto continuará em Juazeiro do Norte, além do aeroporto e o bairro Betolândia.

O que acontece na verdade é que o Governo do Estado realiza estudos de georreferenciamento e atualização das divisas dos municípios cearenses. De acordo com o chefe da unidade estadual do IBGE, Francisco Lopes, com a divisão dos municípios atualizadas, algumas localidades que Juazeiro julgava estar sob sua administração eram de cidades vizinhas.

Francisco ressalta que os territórios não foram tirados de Juazeiro, mas sempre foram de outras cidades, e que isso era desconhecido.

Bairros “errados”
Dentre a parte do território que Juazeiro do Norte administrava erroneamente está uma parcela do Campus da Universidade Federal do Cariri, uma parte do bairro Campo Alegre, a nova Cadeia Pública e alguns loteamentos, que passarão, em sua maioria, para Crato e Barbalha.

Os estudos ainda seguem, mas o projeto de limite de 129 municípios já foi aprovado pelo governador Camilo Santana, incluindo as divisas entre as cidades do Cariri. Mesmo já aprovado, o deputado estadual Doutor Santana (PT) afirma que vai levar de volta o debate à Assembleia Legislativa, já que Juazeiro do Norte poderia perder em arrecadação.
Acordo entre cavalheiros

No caso de municípios não aceitarem os novos limites, Francisco Lopes esclarece que os prefeitos podem realizar acordo entre si, para tentar uma redefinição.

O vereador do Crato Roberto Anastácio (PTN), conhecido como Bebeto, defende que o critério histórico seja utilizado, e o que de costume estava sob responsabilidade de Juazeiro, continue na cidade, assim como o que já fazia parte da administração do Crato. Ele ressalta que o assunto deve ser resolvido com calma e diplomacia entre as cidades.

Lei ultrapassada
Os estudos para definição dos limites dos demais municípios continuam sob o IBGE, em parceria com a Assembleia Legislativa. O projeto visa atualizar os dados referentes às dividas das cidades, já que a última lei aprovada foi em 1951.
Em nota, o prefeito do Crato, Zé Aílton Brasil, diz que, de nenhum modo, a lei foi criada para prejudicar os habitantes do perímetro Crajubar, e que pretende se reunir com representantes das cidades vizinhas para viabilizar as melhores condições para todas as cidades.