terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Lenha na Fogueira ! Ademar ou Benjamim? Por:Renato Casimiro

..

Renato Casimiro
Caro Severo,
Você me pede uma opinião sobre o excelente depoimento de Nirez, com respeito à participação de Ademar Bezerra Albuquerque na realização do filme com Lampião. A rigor, não ouvi ali nada do que não seja o restabelecimento da verdade. Nirez tem a seu favor um zelo muito grande por tudo que lhe cerca, seja na fotografia, na música e em todas as suas manifestações de grande memorialista.
Não há dúvida que o seu depoimento procura esclarecer a verdade sobre aquilo que, historicamente, se aceitou como sendo uma ação de Benjamim Abraão.
É perfeitamente factível que as atenções de Ademar Bezerra Albuquerque para não perder a oportunidade de realizar o trabalho, através de Benjamim, sejam verdadeiras e incontestáveis. E nisto o Nirez juntou detalhes fornecidos pelo Chico Albuquerque com grande propriedade para firmar a veracidade das afirmativas. Procurando imagens do Juazeiro antigo, não encontrei em muitos anos uma só que pudesse ser referida ao “fotógrafo” Benjamim. E olhe que ele tinha tudo para fazê-lo, pois no período em que foi secretário do Pe. Cícero, Juazeiro se viu descoberto por uma quantidade enorme de visitantes ilustrados e o dia-a-dia da casa do padre era muito favorável a isto.

.
Efetivamente, este período de Juazeiro e do Pe. Cícero (época em que Benjamim servia à casa do padre) é muito rico em imagens fotográficas e filmes. A propósito destes filmes, reproduzo o texto que apresentei em nosso então jornal eletrônico Juazeiro on line, na sua edição de 18.01.2009, numa coluna denominada Juazeiro, por aí, que ainda pode ser encontrado disponível em http://www.juaonline.info/.
.
FILMOGRAFIA(I)...
  
Numa consulta à Cinemateca Brasileira (Secretaria do Audiovisual/Minc), São Paulo, localizei dados sobre os filmes realizados pelo sr. Lauro Reis Vidal, durante sua visita a Juazeiro, em 1925. Foram três películas: um filme original, de 1925, e dois outros montados nos anos 1939 e 1955.
. 
FILMOGRAFIA(II)...
 
O JOAZEIRO DO PADRE CÍCERO (Infelizmente, a Cinemateca Brasileira não possui este filme), é um documentário inscrito na categoria de curta-metragem/silencioso/não-ficção. O material original foi em 35mm, BP, 16q. Produção de 1925, em Fortaleza, onde foi lançado em 08.12.1925, no Cine Moderno. A produtora foi a Aba Film, de Adhemar Albuquerque, que fez a direção. Sinopses: "Surpreendente filme natural apresentando magníficos aspectos da região do Cariri em que se vêem: Joazeiro, Crato, Barbalha e outros lugares, assim como Missão Velha, Lavras, Quixadá, Ingazeiras, Fortaleza, etc. Impressionante vista do grande açude do Cedro". (Jornal do Comércio, 28.11.1926). "Trata-se de uma bela reportagem cinematográfica do Cariri, zona em que o padre Cícero exerce a sua infatigável atividade e o seu grande prestígio. O Joazeiro, a cidade do padre Cícero, é apresentada em seus diversos aspectos, mostrando o seu progresso, o seu povo, enfim tudo o que ali existe de importante. Além do Joazeiro, o público aprecia outros bonitos pontos do sertão cearense, destacando-se o Crato, Barbalha, Missão Velha e o colossal açude do Cedro, obra grandiosa da engenharia brasileira. De Fortaleza há algumas, como sejam o porto, o passeio Público e o Parque da Liberdade. Há também belos trechos da estrada de ferro e fotografias de Lampião e seu grupo. É um filme digno de ser apreciado. Não fatiga o espectador. Ao contrário, torna-se atraente pela variedade de cenas, que desenrola. Além disto satisfaz uma curiosidade: mostra o maior domador de homens dos sertões, o padre Cícero Romão Baptista, que se apresenta em diferentes cenas, entre o povo que o aclama, em sua residencia trabalhando, abençoando afilhados e romeiros, discursando, enfim de diversas maneiras é ele visto na tela". (Jornal do Comércio, 02.12.1926)
. 
FILMOGRAFIA(III)...
 
O JUAZEIRO DO PADRE CÍCERO, o segundo documentário, foi realizado em 1939, na categoria de curta-metragem/sonoro/não-ficção, a partir de um material original anterior, em 35mm, BP, com duração de 8min, 220m, 24q. A produção foi de Lauro Reis Vidal, no Rio de Janeiro.
.
FILMOGRAFIA(IV)...

PADRE CÍCERO, O PATRIARCA DO JUAZEIRO, o terceiro documentário, foi realizado em 1955, na categoria de curta-metragem/sonoro/não-ficção, a partir do material original em 35mm, BP, com duração de 11min, 300m, 24q. A produtora foi a Filmes Artísticos Nacionais, do Rio de Janeiro, e a co-produção foi de Lauro Reis Vidal, tendo como direção Alexandre Wulfes. Por exigência da época, o documentário passou pela censura em 19.01.1955, com o certificado 31942, válido até 19 de janeiro de 1960.
.
..
FILMOGRAFIA(V)...

Comentários: Observe que fotos de Lampião são referidas em período anterior à sua visita a Juazeiro, em 1926. Algumas das cenas destes documentários podem ser vistas em outras produções recentes, tanto para cinema como para tv. Na ilustração da coluna de hoje, o arquivo do Juaonline apresenta algumas delas, em fotos que foram obtidas por Raymundo Gomes de Figueiredo (anos 50), a partir de fotogramas destas películas. Especialmente sobre esta primeira película, encontro um registro cartorial firmado pelo Pe. Cícero nos seguintes termos:
.
1931, 13 de novembro - DOCUMENTO DO PADRE CÍCERO CONCEDENDO AUTORIZAÇÃO EXCLUSIVA, AO SR. LAURO DOS REIS VIDAL, PARA EXIBIÇÃO DO FILME" JOAZEIRO DO PADRE CÍCERO E ASPECTOS DO CEARÁ. "ÍNTEGRA: " Amigo e Sr. Laudo Reis Vidal. Saudações. Consoante os seus desejos, pela presente, dou a V.S. a exclusividade absoluta para exibição e representação cinematográfica em "qualquer parte do país e fora dele" de filme que diz respeito a aspectos deste município ou fora dele, nos quais figure a minha pessoa. Assim autorizado poderá V.S. fazer a exibição de qualquer película authentica que tenha obtido, ou que possa obter, conforme melhormente consulte as suas conveniencias e as aspirações gerais do povo, a exemplo da que já é de sua propriedade. Joazeiro, 13, de outubro de 1931. Ass. Padre Cícero Romão Baptista.(Lo. B-l, N° de Ordem 10, p. 18)

No dia seguinte, o Pe. Cícero faz constar no mesmo livro do primeiro tabelionato uma outra comunicação, reafirmando a concessão do dia anterior e ampliando suas prerrogativas: 1931, 14 de novembro - DOCUMENTO DO PADRE CÍCERO CONCEDENDO AUTORIZAÇÃO EXCLUSIVA AO SR. LAURO REIS VIDAL, PARA IXIBIÇÃO DO FILME "JOAZEIRO DO PADRE CÍCERO E ASPECTOS DO CEARÁ. "Integra: "Amigo e Sr. Lauro Reis Vidal. Local. Reportando-me a minha carta passada onde lhe concedo a exclusividade de minha exibição cinematográfica ficando V.S. com plena autorização por ser o único habilitado a propagar o município de Joazeiro e minha pessoa, através da mesma exclusividade, em todos os tempos, como proprietário do filme "Joazeiro, do Padre Cícero e Aspectos do Ceará" ou outro qualquer filme que possa obter; sirvo-me da presente para juntar as fotografias e documentos que solicitou, em relação separada e por mim assignada, como elementos precisos para a via de propaganda acima citada. Encerrando, cumpre-me, de já, agradecer a sua manifesta boa vontade para comigo, os meus amigos e as coisas do Joazeiro. Saudações. Joazeiro, 14 de novembro de 1931. Ass. Padre Cícero Romão Baptista.( Lo.B-l, N° de Ordem 12, p. 19/20).
.
.
O ano de 1925 foi pródigo para filmagens em Juazeiro. Conhecemos a película realizada em 11 de janeiro, quando da inauguração da estátua ao Pe. Cícero, na Praça Alm. Alexandrino de Alencar; conhecemos a película realizada em setembro, quando da visita da comitiva do presidente Moreira da Rocha; conhecemos a que foi realizada por Ademar Albuquerque/Reis Vidal; mas não conhecemos uma que teria sido realizada por iniciativa do então deputado estadual Godofredo de Castro, neste mesmo ano.

É muito mais provável que Ademar esteja como realizador em todas estas películas e este relacionamento teria servido para oferecer um treinamento mínimo para o que viria anos depois com o filme de Lampião, pois é neste ponto que o testemunho de Chico Albuquerque a Nirez é importante.

Não tenho dúvida em aceitar que Ademar e Benjamim tornaram-se parceiros, sendo este cliente daquele e a quem poderia realizar pelo motivo apresentado por Chico Albuquerque e Nirez, o da confiança de alguém que não o punha, e a seu grupo, em apuros com a repressão policial.
.
.
Embora tenha feito isto, publicamente, em depoimento durante uma edição do Cine Ceará, anos atrás, aproveito a oportunidade para relatar brevemente o que me foi ensejado conhecer desta atividade cinematográfica de Benjamim. No início dos anos 80, eu e Daniel Walker adquirimos uma coleção de fotografias antigas de Juazeiro e alguns pequenos pedaços destas películas que o seu proprietário, Raymundo Gomes de Figueiredo, cidadão juazeirense, mantinha como acervo e no qual se incluíam livros e jornais, e a que deu o nome de Arquivo Benjamim Abraão.

Quando adquirimos e isto foi divulgado pelo Diário do Nordeste, o fato foi relevado como se tivéssemos adquirido o Arquivo “de” Benjamim Abraão. A família de Benjamim, através de seu filho, então residente em Niteroi e comerciante no Rio de Janeiro, Atalah Abraão, instruído por Eusélio Oliveira, resolveu mover uma ação contra nós dois e a levou adiante nas instâncias de Juazeiro do Norte e Fortaleza. Vencemos nas duas e o material nos foi devolvido, anos depois. Mais adiante, numa conversa com o ex-senador da república, José Reginaldo Duarte, cuja família criou nos arredores de Juazeiro, o filho de Benjamim, o sr. Atalah, nos chamou para uma conversa onde algumas coisas foram faladas a respeito da frustração que aquele ato determinou para nós e para a família, sobretudo porque ficou demonstrado que nós não havíamos comprado nenhum roubo, portanto, não éramos receptadores de um acervo, até então procurado.

O sr. Reginaldo Duarte nos lembrou, inclusive, que por vários anos, encontrando-se diversos rolos de filmes pertencentes a Benjamim (não se sabe se apenas outros que não o relativo a Lampião) num canto da casa, na localidade de Brejo Seco, proximidades do atual Aeroporto Regional do Cariri, guardados em latas...

...a garotada do sítio tomava aqueles rolos e os queimavam durante as festas juninas. Certamente que por conta do material cinematográfico de então, sua queima se assemelhava a uma chuva de prata, coisa que fazia a garotada delirar.

Este é o fim trágico, pelo qual, inclusive tivemos que pagar duramente por uma suspeita descabida, a partir da ignorância e má vontade do então, meu amigo, Eusélio Oliveira, que não se permitiu aceitar o convite para conhecer de perto o que tínhamos comprado. A grande indagação que ficou, como moral da história foi mais uma grande dúvida sobre o que teria feito ou não Benjamim Abraão, como fotógrafo e cinegrafista, aluno de Ademar.

..
Em tudo o que mencionei antes e do que ouvi, destaco: Sem querer por fogo na fornalha e já pondo, enfatizo o que registra a ficha da Cinemateca, mencionada: Há também belos trechos da estrada de ferro e fotografias de Lampião e seu grupo. Não é interessante que haja estas fotografias tomadas em data(s) anterior(es) a 1926. Observar que no filme com Lampião, Benjamim aparece usando um bornal com a inscrição Aba Film. Nunca houve omissão de que a produtora foi a Aba Film, de Adhemar Bezerra Albuquerque, que (também) deve ter feito a direção, à distância. Por isto, o depoimento de Nirez corrobora com as indicações anteriores de que ele era, efetivamente, produtor, diretor e fotógrafo destas películas em torno de 1925. Entre 1925 e 1936, quando filma Lampião, certamente Benjamim já teria apreendido objetivas e eficientes lições para manejar a máquina. Em mais de 10 anos de relação profissional com Ademar, Benjamim só teria feito isto? A resposta se foi, desgraçadamente, no fogo ingênuo das crianças, em noitadas de São João, nos arredores de Juazeiro do Norte.

Renato Casimiro
.

8 comentários:

ADERBAL NOGUEIRA disse...

Satisfeito, extremamente satisfeito, em ter colaborado para uma possível reviravolta histórica, a palavra do mestre Renato Cassimiro, a maior autoridade mundial em Juazeiro e Padre Cícero, para mim é como um carimbo de autenticação ao que Nirez nos relatou em depoimento. Ninguém é infalível claro, mas a afirmação vinda de quem vem, quem sou eu para ainda ter dúvidas. Como diz o nosso caipira, e doutor das caatingas Alcino, a história dá voltas que ninguém imagina. ADERBAL NOGUEIRA.

José Mendes Pereira disse...

Apesar de não conhecer essas regiões citadas pelo escritor Renato Casimiro, mas parabenizo-lhe pelo excelente artigo publicado.
Para os que são conhecedores das demais localidades, estão recebendo informações precisas, no momento certo, quando o Miguel Ângelo de Azevedo, o "Nirez" que juntamente com Christiano Câmara memorialistas e pesquisadores da história de Fortaleza, apresentaram ao escritor Aderbal Nogueira, vamos dizer assim, um furo sobre a possível ideia de filmar Lampião nas caatingas ter sido de Ademar Albuquerque.

José Mendes Pereira - Mossoró - RN.

Anônimo disse...

Sensacional postagema amigo Severo, as informações do professor Renato Casimiro enriquecem em muito a historiogarfia notadamente o episodio da filmagem de Lampião por Benjamim Abraão.

Parabens

Marcos Coimbra Paz
Fortaleza

Anônimo disse...

Nirez já nos merecia todo o crédito, agora com essa matéria do renomado professor e pesquisador das coisa do Juazeiro, Antonio Renato Casimiro, o que dizer, a não ser o que o Aderbal fala: A história dá voltas que ninguém imagina.

Pelegrino Lopes P.

Anônimo disse...

Queria ouvir a opinião de.Ant.Amaury, Frederico Pernambucano,Pres. da SBEC.Lemoel Rodrigues, e tambem de Napoleão Tavares.
Raimundo Brito.

Lima Verde disse...

Amigo Manoel Severo, boa noite, bacana a disposição do professor Renato Casimiro em discorrer sobre essa novidade do Caso Nirez/Ademar/Benjamim, na verdade a cada dia aprendemos mais; não que tenha feito muita diferença entre quem teve a ideia original, mas se resgata a verdade do fato histórico, a partir de pessoas que relmente são profundos conhecedores, como é o caso do Renato Casimiro.

Essa informação documental de Pe. Cícero ao primeiro tabelionato de joazeiro para a comunicação, sobre a concessão ao Senhor Lauro Reis Vidal, é simplesmente fantastico. Parabens aos amigos.

Saudações,

Fernando Cesar L Verde

ENGENHEIRO GMARLON disse...

Aderbal, o que mais chama a atenção e por não dizer pela forma tragicômica é saber que a memória de tantas outras passagens se foi com as foqueiras de são joão da meninada de juazeiro do norte, é mole?!

parabens ao grande pesquisador Renato Casimiro.

Marlon

Anônimo disse...

Quem talvez estivesse por tras de tudo isso era o padre Cícero.

Paulinho


2 comentários:

IDERVAL TENÓRIO disse...

Amigo Casimiro, como estudioso e ferrenho procurador de fatos do Nordeste, sinto-me consolado em saber que apesar destas perdas ainda existe muito para ser pesq. e documentado. Acredito que muitos notáveis possuem fartos documentos da vida desta Precisosa Cidade,de Lampião e do Padre Cícero, principalmente os notáveis anônimos. Os EUA tempos atras convocou a população para procurar nas suas resiencias ,principalmente nas residencias dos filhos de determinadas regiões onde os conflitos aconteceram e foi assombroso a quantidade de material histórico que se transformaria em lixo.Acho que na nossa região ainda existem verdadeiros museus vivos que poderiam resgatar parte desta História conhecida e sem documentação.
Parabens e o povo Brasileiro deve a vocês o resgate destes importantes fatos de uma das maiores páginas da história deste país, que foi toda a trajetória do Pe.Cicero, a fundação deste importante núcleo cultural e as andanças do Lampíão.AGUARDO POR MAIS INFORMAÇÕES. Iderval Reginaldo Tenório acessem http://www.iderval.blogspot.com

Francisco Neri Filho disse...

Bem,embora as pesquisas de Renato deixem dúvida sobre a atuação de Benjamim Abrahão como fotógrafo, posso dar meu testemunho de que ele realmente executou esse trabalho em Juazeiro antigo. Isso ouvi comentar muitas vezes em casa. Como sabe o ilustre amigo historidor acima referido, meus pais foram contemporâneos do sírio-libanês e era muito comum se comentar lá em casa, à hora das refeições, que ele inclusive filmara Lampião e seu bando, graças a carta de referência que levou ao cangaceiro, assinada pelo Padre Cícero. Há notícia também, salvo engano no livro de Lira Neto, de que o homem do Aba Flme (nem sei se se escreve assim)teria fornecido o equipameno para o galego executar a tarefa. No livro mais recente, organizado por Frederico Pernambucano de Melo, há uma narrativa do Benjamim sobre as grandes dificuldades que teve de vencer na aventura de localizar o Rei do Cangaço.