segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

OS 80 ANOS DE MONSENHOR JOSÉ ALVES DE OLIVEIRA


Hoje a comunidade juazeirense celebra festivamente a passagem dos 80 anos de nascimento de Monsenhor José Alves de Oliveira.  Ele nasceu no Sítio Tapera, Distrito de Quitaiús de Lavras da Mangabeira, mas foi aqui, em Juazeiro do Norte, que ele desempenhou a maior parte do seu ministério sacerdotal, tendo se notabilizado como sacerdote virtuoso, íntegro, amigo de todos e dedicado seguidor de Jesus Cristo.
O nosso homenageado sem dúvida reúne numa só pessoa muitos predicados que ornamentam a sua destacável personalidade. Acredito que cada um do seu vasto ciclo de amizade tem seu motivo para exaltá-lo e ele tem virtudes suficientes para contemplar a todos. 
Mas, para mim em especial, gostaria de destacar a que considero marcante em sua personalidade: o desprendimento em servir, não importa onde, quando, nem por quê. 
Posso servir como testemunha presencial em seu favor, salientando que ele nunca se negou em atender às solicitações que lhe são dirigidas. Em dias inadequados por gerar conflito em sua agenda; em horários inconvenientes, porque colide com seu horário de repouso; em locais de difícil acesso porque dificulta a sua locomoção, hoje um tanto quanto restrita; nada disso, meus amigos, é motivo para ele apresentar uma desculpa convincente e se livrar do convite sempre formulado com tanta esperança de acolhimento. 
Ele, na sua fortaleza inabalável e no seu afã incontido de servir ao próximo e de levar a todos a palavra de Deus, atende com solicitude e prazer o pedido para celebrar uma missa em ação de graças; benzer um lar; fazer a renovação; providenciar a unção dos enfermos ou até mesmo, apenas para dar o conforto espiritual da sua presença de pastor e de amigo, sendo que esta é, invariavelmente, o melhor remédio para apaziguar as aflições das pessoas desesperadas na luta insana pela procura de um porto seguro para aliviar seus sofrimentos, estancar a dor por uma ferida da alma que persiste em ficar ou por algum caso de desamparo e de solidão em que uma palavra amiga é sempre o melhor conforto.  E é justamente nesses momentos que Monsenhor José Alves se faz presente tal qual um raio de luz para iluminar o evento ou um lenitivo para aliviar a dor do solicitante esperançoso.
É isto, meus amigos, o que mais admiro no Monsenhor José Alves que conheço como paroquiano ainda do tempo em que ele era o administrador da Capela do Socorro, no bairro onde residi por muitos anos, e do tempo em que éramos professores da antiga Escola Normal depois Centro Educacional Professor Moreira de Sousa. 
Quem me conhece, sabe perfeitamente que procuro sempre ser coerente nos meus julgamentos e jamais exercito a prática fácil da bajulação para agradar alguém ou conseguir favores. 
Por isso, aqui, hoje, neste momento, ao dirigir minha atenção ao meu amigo aniversariante Monsenhor José Alves de Oliveira, na passagem dos seus 80 anos de existência,  o faço com muito prazer e convicto de que me exprimo através de um julgamento coerente e despojado de louvação barata, porque estou apenas projetando para todos aqui presentes uma verdade indiscutível, capaz de ser partilhada, comprovada e endossada por todos que me conhecem e o conhecem. 
Então, justiça seja feita: Monsenhor José Alves, tudo o que disse aqui sobre o senhor é a expressão da mais pura verdade, juramentada sob a presença de Deus, aqui manifestada na pessoa do patrono da sua paróquia, e a quem peço que lhe proteja e lhe premie com muitos mais anos de vida. 
Sua missão ainda não terminou. Esta certamente é a vontade de Deus. 
Parabéns, amigo! 
Juazeiro do Norte, 21 de dezembro de 2015
Daniel Walker - Editor




Um comentário:

IDERVAL REGINALDO TENÓRIO Tenorio disse...

Tem pessoas que ficam na vida do cidadão como se fosse da familia, o Padre José Alves é uma dessas pessoas, principalmente nós que convivemos nos pátios e nas calçadas das duas Igrejas mais ligadas à Romaria do Juazeiro- IGREJA DO SOCORRO E DA MATRIZ, era como se fosse as nossas casas. Padre José nosso parabéns e agradecimentos. Iderval.