sábado, 19 de dezembro de 2015

Não existem mais empecilhos para a beatificação do Padre Cícero - Armando Lopes Rafael

Beatificação é o passo imediatamente anterior ao da canonização; este último, o fim de um longo processo, no qual a Igreja Católica Apostólica Romana declara uma pessoa como santo(a). Mas, já ao atingir o estágio de “beato”, a Igreja Católica autoriza a veneração pública dessa pessoa. Entenda-se por “veneração” o “culto de dulia”, que tem por objeto honrar uma pessoa que nos remete a Deus. Fica claro que, ao ser declarado beato(a), o candidato(a) a santo(a) já se encontra no Céu e pode interceder por aqueles que lhe recorrem em oração.

 Ora, é exatamente isso o que fazem milhões de devotos do Padre Cícero Romão Batista, há mais de 80 anos. Interessante relembrar que o “Padrinho Ciço” nunca teve seu processo de beatificação iniciado. Como este sacerdote morreu suspenso das suas ordens sacerdotais, a Igreja Católica não poderia tomar tal iniciativa. Necessário se fazia que as autoridades do Vaticano retirassem as condenações impostas, em vida, ao Padre Cícero para viabilizar um pedido de beatificação.

O impasse persistia. Os bispos da Diocese de Crato não se atreviam em pedir a Roma o levantamento das penas impostas ao Padre Cícero. Do outro lado, os devotos deste sacerdote argumentavam: “Mas Roma já não sabe que Meu Padrinho é santo?”. Quando chegou a Crato em 2001, o atual bispo desta diocese, dom Fernando Panico, nomeou uma comissão para estudar este problema. Em maio de 2006, o processo foi entregue no Vaticano. Nove anos depois, o papa Francisco envia uma mensagem reconciliando a Igreja Católica com a obra e herança espiritual do Padre Cícero. Agora não existem mais empecilhos para, num futuro próximo, ser iniciado o processo de pedido da beatificação do santo popular.
armando.rafael@terra.com.br
Historiador e leigo católico; chanceler da Diocese de Crato

Um comentário:

IDERVAL REGINALDO TENÓRIO Tenorio disse...

Meus amiguinhos nordestinos , inclusive eu, o impasse do nosso já Santo padre Cícero era o atrelamento politico, foram as manobras politicas do Floro Bartolomeu.

A Igreja fez a seguinte análise :para uma comunidade conseguir a sua independência ou sua emancipação precisa de luta e de ações.
1-Ação política e administrativa, estas a cargo dos políticos da época e precisamente em Juazeiro do Norte, do baiano Floro Bartolomeu, médico formado em 1903 pela Universidade federal da Bahia, a mesma Escola de Medicina onde também fiz curso em 1982,inclusive já fiz um trabalho aqui com o Dr Floro , homem inteligente e que chegou na nossa Juazeiro em 1907 com o intuito de explorar minerais na região e comprou a briga pela emancipação do povoado do tabuleiro grande, desencadeando todo o movimento Juazeiro-Crato-Ceará e Brasil. Floro-Padre Cícero-Luiz Pequeno, o Pacto Cariri- Beata Maria- Beata Mocinha-José Marrocos, Jose Lourenço, Lampião,Dom Quintino, Hermes da Fonseca, Ruy Barbosa, Pinheiro Machado, Franco Rabelo, Dr Acioly , Dom Joaquim e outros bispos por este mundão afora.

2-Ação Religiosa a cargo do nosso Padre. O lado religioso, de orientação, de penitencia, de sabedoria, de ensinamentos e dos pequenos milagres, o lado bom, da beneficência, da benevolência e do perdão, tanto que tudo o Padre Cicero deixou para as ordens salesianas e hoje milhões de pessoas vivem do legado do `Padre, são muitos os escritores, cantores, artesãos, artistas, professores , comerciantes, industriais, políticos e a própria Igreja vivendo do legado do nosso patriarca.

O ápice chegou e chegou em tempo, Igreja soube e está sabendo dirimir o lado da fé e o lado politico que todos os homens possuem, vide o próprio Papa Joao Paulo segundo que até em armas pegou para defender o seu povo. Viva o Padre Cícero e rumo à beatificação. Iderval Reginaldo Tenório