terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Renato Casimiro esclarece ausência de Abraão em coleção de cordel

Devido a repercussão da notícia veiculada no jornal Juanorte (www.juanorte.com.br) sobre a ausência do poeta Abraão Batista da coleção Cordeis do Centenário o professor Renato Casimiro, Coordenador da Coleção Centenário, nos enviou o seguinte: 
Meus senhores,
Por e-mail, em 30 de setembro de 2010, o prof. Renato Dantas (organizador das edições de folhetos de cordel na Coleção Centenário) me comunicou uma nova revisão sobre a lista de 50 cordéis clássicos que seriam editados em dois volumes (25 folhetos em cada) na Coleção Centenário. Nesta relação, o prof. Abraão Batista estava contemplado com os seguintes três títulos: "A Terra da Mãe de Deus", "O Massacre dos Romeiros na Matriz de Juazeiro", "Quando o Padre Cícero Chegou a Juazeiro do Norte". A Coleção contemplaria também a edição de mais 50 títulos contemporâneos (a serem igualmente inseridos em outros dois volumes) que incluiriam títulos (tanto de Abraão Batista, quanto de seu filho Hamurabi Batista) a critério dos seus autores, mas em sintonia com a temática de homenagem a Juazeiro do Norte – a cidade centenária e seu fundador. Para nossa tristeza, tivemos a informação fidedigna, fornecida tanto por Renato Dantas, quanto por Rosário Lustosa (cordelista que finalizou os procedimentos iniciados por Renato Dantas), de que o prof. Abraão se recusara a participar da Coleção por dois motivos: 1. Suas restrições pessoais à gestão municipal; 2. A cessão de direitos para a publicação dos folhetos seria remunerada apenas com 10%, em exemplares das obras e não em pagamento em dinheiro para os seus autores. A recusa também foi reafirmada por Hamurabi Batista, quando instado a participar da Coleção. 

Achei conveniente prestar este esclarecimento a propósito de informação veiculada na edição deste domingo do Juanorte, segundo a qual teria havido censura prévia à participação do prof. Abraão Batista, o mais importante autor juazeirense de literatura de cordel contemporâneo. Como o prof. Abraão Batista é colaborador do Juanorte, poderá mais facilmente reafirmar ou desmentir o nosso esclarecimento. 

É oportuno dizer-lhes, igualmente, que como Coordenador Editorial da Coleção Centenário, dentro do Projeto Editorial do Centenário, vinculado às ações da Comissão do Centenário de Juazeiro do Norte, nunca recebi qualquer interferência sobre a inclusão ou exclusão de qualquer título de obra nesta Coleção, bem como deste ou daquele autor, e o trabalho prossegue para que até 22 de Julho, próximo, tenhamos êxito na reedição de mais 10 títulos de livros raríssimos, financiados pelo BNB, encerrando o Projeto e as festividades do Centenário de Juazeiro do Norte. 
Cordialmente,
Renato Casimiro (Coordenador Editorial da Coleção Centenário) 
                                                                               ***

Professor Renato Casimiro,
        A titulo de esclarecimentos informo que , em contato telefônico com o poeta juazeirense, Sr Abrãao Batista e seu filho Hamurabi Batista, ouvi por parte deles de que não havia nenhum interesse em participar, com seus folhetos, do Projeto de Publicações de folhetos de cordel, realizado pela Prefeitura Municipal de Juazeiro do Norte, por ocasião das comemorações do Centenário de nossa cidade.
Juazeiro do Norte, 17 de Janeiro de 2012
Atenciosamente,
Maria do Rosário Lustosa da Cruz.

Senhoras e Senhores:
 Respaldo  o escrito de Renato Casimiro visto ter sido, EU, o primeiro organizador da lista em questão, onde na primeira versão constava uma série de folhetos do meu amigo Abraão Batista que, quando o convidei, disse: Só participo por sua causa.".
Posteriormente, para o nosso pesar, pois Abraão é o maior - se não o melhor - folhetista sobre o Padre Cícero é Juazeiro, por motivos que respeitamos, retirou-se da publicação. Reafirmo, senti muito, mas respeitei a decisão do amigo Abraão.

Caro Renato:
 O afirmado acima é de sua propriedade, podendo dispô-lo à sua vontade.
 Com respeito a todos
 Franciso RENATO Sousa Dantas

Um comentário:

IDERVAL TENÓRIO disse...

Amigo Renato.

Eu Iderval Reginaldo Tenório fiquei triste em saber que o meu querido conterrâneo e que desde a minha infância o tenho como um marco da cultura Brasileira,um homem do mais alto valor para a nossa região , que sempre participou da política Juazeirense na oposição ,mostrando coerências nos pensamentos e nas atitudes, tenha ficado fora deste marco :O CENTENÁRIO DO JUAZEIRO EM CORDEL,fico feliz em saber que o motivo foi por vontade do mesmo e não por exclusão dos organizadores que merecem o nosso respeito. Agora meu Guru Abraão Batista, o amigo não deveria ter feito isso, o amigo deveria relevar as pendengas políticas e presentear o mundo com os seus versos criativos,importantes,históricos e do mais alto grau de credibilidade, o amigo não deveria deixar a posição política suplantar a manisfestação cultural de um povo. O universo cultural é maior do que a nossa posição polítca e o mestre Abrão Batista para muitas gerações é um dos ícones da cultura Caririense.
Labuto aqui em Salvador com muitas deficuldades devido a minha posição política mas ,passeio sem medo na escala cultural- seja Erudita,MPB,Folclórica ou besteirol,passeio livremente no meio cultural sem deixar que seja contaminado ou que arestas apareçam por diferenças políticas.Professor Abraão Batista releve e escreva algo sobre o Centenário de sua Cidade para ficar nos anais,pois no futuro a história Juazeirense sentirá a falta do depoimento cultural de um dos seus ícones .De parabens A COMISSÃO E TODOS OS POETAS QUE PARTICIPARAM E ESTE BELO ESCLARECMENTO.

IDERVAL REGINALDO TENÓRIO
http://www.idrval.blogspot.com