quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Novo Prefeito e novo Presidente da Câmara

Foram empossados ontem, em Juazeiro do Norte, o prefeito Raimundo Macedo e o presidente da Câmara Municipal, vereador Antonio de Lunga. Com a eleição de Lunga, Raimundão sofre sua primeira derrota, pois o candidato que ele apoiava, Gledson Bezerra, não conseguiu os votos necessários. Com isso, o novo prefeito já sabe o que vai passar, com pelo menos 11 vereadores fazendo oposição ao seu governo. É uma situação bem diferente da do prefeito anterior, Manuel Santana, que tinha apenas quatro. Mas, como a "política é dinâmica" ninguém pode garantir que esse quadro persista até o fim do mandato do prefeito Raimundão. A chegada do novo prefeito de Juazeiro teve três contratempos: 1) a sessão de posse que inicialmente estava programada para as 8h, foi suspensa por ordem judicial e transferida para as 17h, conforme previa o regimento da Câmara Municipal; 2) o presidente recém-empossado, pediu afastamento (?) e quem presidiu a solenidade de posse do novo prefeito foi o vice, Darlan Lobo; 3) a transmissão do cargo foi feita pelo vice-prefeito, Roberto Celestino, pois o prefeito Santana não compareceu, como, aliás, já se sabia. Raimundão começa seu governo encontrando uma cidade imunda, com lixo acumulado nas ruas, mesmo cenário que deixou para o seu sucessor em 2009. Uma coisa esquisita é o Poder Legislativo, que por sua natureza  jurídica  e constitucional goza de total independência, sofrer interferência do Poder Executivo quando da escolha do seu presidente. Isso tem de acabar. A escolha do presidente da Câmara deveria ser uma ação interna, decidida pelos próprios vereadores. Nenhum prefeito deveria ter o direito de apresentar ou apoiar candidato a presidente da Câmara de Vereadores. Afinal, onde está a independência entre os Poderes. Será que um dia teremos isso em Juazeiro? Desejamos aos recém-empossados uma feliz administração e que tudo façam pelo bem do Município.

2 comentários:

IDERVAL TENÓRIO disse...


MENSAGEM PARA OS ELEITORES 2012.
VOTO CONSCIENTE É O EXERCÍCIO DA CIDADANIA.
VOTEM PARA O BEM DA COMUNIDADE E NÃO PENSANDO APENAS EM VOCÊ, NO SEU UMBIGO.
NÃO DESTRUAM AS FAMÍLIAS POR MIGALHAS EXTERNAS.

Estive no Sul do Ceará e senti o calor da Campanha Eleitoral entre os populares. Na verdade o que existe é um grupão de duas cabeças, cada uma querendo puxar a campanha e os votos para o seu lado, digo um grupão porque os seus componentes fazem parte da mesma corrente, fazem parte dos dois partidos que dirigem a nação- O PT de Lula e Dilma e o PMDB de Temer e Sarney, para onde os votos forem cairão no mesmo buraco, na mesma caçapa.

Os líderes e os cabeças são politicamente falando amicíssimos ,na verdade lutam apenas para saber quem conduzirá a tocha da vitória, não existirá perdedor ou não existirão perdedores no cume da pirâmide , tudo é questão de tempo, mais tarde estarão no mesmo barco,nas mesmas salas , nos mesmos restaurantes compartilhando as rodadas de Escoceses ,Italianos e caviar russo.

Todos ,todos sem faltar uma só vírgula bem remunerados e detentores de grandes patrimônios, apenas revezam , revezam porque continuar no poder por muito tempo cansa , politicamente é chato e dá muitas margens para desconfiança. O acordo é revezar e que briguem as formigas ,que briguem os que estão na raia baixa.

De sobra e para trás ficarão famílias e seculares amizades estraçalhadas, são piabas que lutam para garantir migalhas para as suas sobrevivências,ferindo escancaradamente até a honra dos seus componentes, famílias que depois do pleito se olharão de soslaio, não mais se tocarão consangüinamente ,ficarão com alguma diferença,tudo pela defesa inconseqüente do pão de cada dia, que deveria não ter nenhuma ligação com o direito da cidadania ,que é a liberdade de exercer o ato de votar com o carimbo e a chancela da AUTONOMIA , uma vez que o VOTO É SECRETO.

Famílias deixem os cabeças disputarem o poder e jamais destruam o mais sagrado vínculo que existe entre os seus componentes , a família é para sempre ,a posição política depende do interesse de cada componente e muda de safra em safra, os cabeças sempre ganharão e as formigas sempre serão uma incógnita.

Exercitem a cidadania,votem conscientemente e lutem por melhores empregos sem a tutela de seres estranhos à sua pessoa,vençam sem padrinhos emprestados e que mudam de idéias de tempos em tempos.

Eleitores reflitam,pensem e decidam pelo melhor para a comunidade.

Aproveito este meu comentário e publico do grande Bertold Brecht a mais importante e contundente mensagem para o homem civilizado.

MEDITEM.( Se os tubarões fossem homens).
Iderval Reginaldo Tenório

IDERVAL TENÓRIO disse...

CONTINUAÇÃO .
Se os tubarões fossem homens
por Bertold Brecht

Se os tubarões fossem homens, perguntou a filha de sua senhoria ao senhor K., seriam eles mais amáveis para com os peixinhos?

Certamente, respondeu o Sr. K. Se os tubarões fossem homens, construiriam no mar grandes gaiolas para os peixes pequenos, com todo tipo de alimento, tanto animal quanto vegetal. Cuidariam para que as gaiolas tivessem sempre água fresca e adoptariam todas as medidas sanitárias adequadas. Se, por exemplo, um peixinho ferisse a barbatana, ser-lhe-ia imediatamente aplicado um curativo para que não morresse antes do tempo.

Para que os peixinhos não ficassem melancólicos haveria grandes festas aquáticas de vez em quando, pois os peixinhos alegres têm melhor sabor do que os tristes. Naturalmente haveria também escolas nas gaiolas. Nessas escolas os peixinhos aprenderiam como nadar alegremente em direcção à goela dos tubarões. Precisariam saber geografia, por exemplo, para localizar os grandes tubarões que vagueiam descansadamente pelo mar.

O mais importante seria, naturalmente, a formação moral dos peixinhos. Eles seriam informados de que nada existe de mais belo e mais sublime do que um peixinho que se sacrifica contente, e que todos deveriam crer nos tubarões, sobretudo quando dissessem que cuidam de sua felicidade futura. Os peixinhos saberiam que este futuro só estaria assegurado se estudassem docilmente. Acima de tudo, os peixinhos deveriam rejeitar toda tendência baixa, materialista, egoísta e marxista, e denunciar imediatamente aos tubarões aqueles que apresentassem tais tendências.

Se os tubarões fossem homens, naturalmente fariam guerras entre si, para conquistar gaiolas e peixinhos estrangeiros. Nessas guerras eles fariam lutar os seus peixinhos, e lhes ensinariam que há uma enorme diferença entre eles e os peixinhos dos outros tubarões. Os peixinhos, proclamariam, são notoriamente mudos, mas silenciam em línguas diferentes, e por isso não se podem entender entre si. Cada peixinho que matasse alguns outros na guerra, os inimigos que silenciam em outra língua, seria condecorado com uma pequena medalha de sargaço e receberia uma comenda de herói.

Se os tubarões fossem homens também haveria arte entre eles, naturalmente. Haveria belos quadros, representando os dentes dos tubarões em cores magníficas, e as suas goelas como jardins onde se brinca deliciosamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam valorosos peixinhos a nadarem com entusiasmo rumo às gargantas dos tubarões. E a música seria tão bela que, sob os seus acordes, todos os peixinhos, como orquestra afinada, a sonhar, embalados nos pensamentos mais sublimes, precipitar-se-iam nas goelas dos tubarões.

Também não faltaria uma religião, se os tubarões fossem homens. Ela ensinaria que a verdadeira vida dos peixinhos começa no paraíso, ou seja, na barriga dos tubarões.

Se os tubarões fossem homens também acabaria a ideia de que todos os peixinhos são iguais entre si. Alguns deles se tornariam funcionários e seriam colocados acima dos outros. Aqueles ligeiramente maiores até poderiam comer os menores. Isso seria agradável para os tubarões, pois eles, mais frequentemente, teriam bocados maiores para comer. E os peixinhos maiores detentores de cargos, cuidariam da ordem interna entre os peixinhos, tornando-se professores, oficiais, polícias, construtores de gaiolas, etc.

Em suma, se os tubarões fossem homens haveria uma civilização no mar.


COMENTE ESTA MATÉRIA ,É MUITO IMPORTANTE A SUA OPINIÃO

IDERVAL REGINALDO TENÓRIO